Moeda nova

12 dez • A Vida como ela foiNenhum comentário em Moeda nova

Fernando Albrecht fala na perda de tempo que os funcionários têm por causa dos smartphones, que ajudam a diminuir a produtividade

O Brasil é campeão em troca de moeda. Trocamos de moeda como quem trocava de cueca. Patacão, réis, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzado, real, uma babilônia que não resultou em maiores comoções populares. Numa dessas mudanças, nos anos 80, o Marcus foi comprar uma erva da boa de uma traficante famosa da época, a Nega, que tinha um entreposto de cannabis na Vila Bom Jesus, Zona Leste de Porto Alegre

Boca braba. Marcus estava duro, duríssimo. Fruto de uma breve incursão paraguaia, só tinha cédulas de guaranis. Um monte deles mal pagava uma cerveja. Foi à boca, comprou a erva e mostrou as notas para a Nega.

– Que dinheiro é esse que eu não conheço?

Marcus até pensou em dizer que era alguma moeda europeia, mas o portfólio de clientes da empreendedora era vasto e convinha não arriscar.

– É o dinheiro novo que vai sair, o cruzeiro supernovo

Desconfiada como convém a alguém do ramo, Nega cheirou as cédulas e arriscou. Marcus saiu de fininho com as trouxinhas de maconha. Dias depois, ficou sabendo que Nega despachara um “procura-se vivo ou morto” na Vila Bom Jesus e arredores. Riram da sua cara quando ela tentou passar o cruzeiro supernovo adiante.

Por sorte, a vendeta não se consumiu. A Nega viu que o futuro só mostrava uma cova rasa sem nem mesmo sete palmos de fundura. Largou da vida e, poucos meses, depois deixou o tráfico e se jogou nos braços de Jesus.

Não o lá de cima, mas um carroceiro chamado Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »