•  O poliglota

    Publicado por: • 25 mai • Publicado em: A Vida como ela foi

       Hoje em dia, em qualquer profissão, você tem que saber inglês. A frase seria comum não fosse ela de Pollyana Temponi, prostituta de Belo Horizonte, proferida antes da última Copa do Mundo, explicando que aprendeu a língua para conversas com clientes-turistas. Ganhou espaço nacional pela declaração. Perguntei-me, na época, qual o motivo do espanto. Sem inglês você não vai longe e, não raro, a lugar nenhum.

       A bem da verdade, no passado se falava bem menos inglês do que agora. Hoje, toda a mídia eletrônica ajuda a difundi-lo, mesmo que sejam apenas expressões do cotidiano. Aí já é a turma do ze buque iz on ze teible, mas graças à globalização e a novos métodos, a aprendizagem de línguas estrangeiras é bem mais fácil. Mas, para muita gente, o inglês é coisa do outro mundo e não tem jeito nem de dizer “yes” sem sotaque.

       No tempo dos bar-chopes de Porto Alegre, frequentei muito o Stylo Bar Drink, na esquina da Independência com Garibaldi, hoje loja Panvel. Um dos frequentadores fixos – dizem que tentou até uma ação de usucapião – era um desses. Certa noite, ele apontou um cartaz de propaganda de cigarro colado na caixa.

       – Alemão, tu que sabe inglês, o que quer dizer “si ainfel”?

      Me virei e quase desmaiei. Estava escrito, em espanhol, “sea infiel”.

      Me taira o tiubo!

    Publicado por: Nenhum comentário em  O poliglota

  • A era do terrorismo

    Publicado por: • 25 mai • Publicado em: Caso do Dia, Notas

       Não só o terrorismo clássico, tipo Estado Islâmico e grupos fundamentalistas. Vivemos a era do terrorismo diário. Qualquer site de jornal dedica pelo menos dois terços a desastres iminentes. Xis brasileiros em cada dez terão algum tipo de câncer em breve; comer proteína animal pode causar enfarto; carne de galinha pode ter hormônio; hortigranjeiros usam venenos residuais; para ficar o cálcio no organismo precisa tomar sol, mas quem tomar sol pode ter melanoma; a gripe aviária não demora e vai matar dezenas de zilhões; e superbactérias podem causar catástrofe mundial.

       Enfim, tudo está envenenado, faz mal ou pode matar. Como se já não bastasse a morte, estamos a morrer várias vezes antes da última. Como já dizia um veterano jornalista nos tempos da velha Caldas Júnior, a função do jornal é alarmar o povo.

    A era dos caminhoneiros

       Também se enquadra na categoria terrorismo, mas o real. Como é que pode uma Nação continental ser refém de caminhoneiro? Levaria um sociólogo galáctico à loucura. E como podem dar tiros e atirar pedras em carros comuns que passam pelos bloqueios de suas excelências nas rodovias e ficar por isso mesmo – levaria-o ao suicídio.

    Onde está a cavalaria?

       É por essas e outras que o povão quer ação do Exército nas ruas. É a única solução para ele, mesmo que a tarefa constitucional das Forças Armadas não seja essa. O que o povo quer é a cavalaria em ação. Quer um xerife com amplos poderes no melhor estilo dos filmes bangue-bangue dos anos 1950, nem que seja pago pela cidade refém dos bandidos.

    Foi mal

       Muitos parlamentares foram às redes sociais apoiar a greve dos caminhoneiros. Acham que ficar de bem com essa turma em ano eleitoral traz votos. Ledo engano. São 300 mil em todo o Brasil. Elegem um deputado federal e meio, e olhe lá. E na contramão, uma população farta de buscar leite e pão em supermercado e encontrar a gôndola vazia.

    Filosofia orelhão

      Brasília demora mais a reagir que bicho-preguiça subindo uma árvore. E quando reage, quase sempre reage mal. É ficha presa como nos orelhões sobreviventes. É exasperante.

    Ironia

       Há um trágico engano no movimento feminista no quesito se igualar com os homens, mercado de trabalho à parte. Em toda a história da humanidade a mulher sempre teve o comando.

    Certezas

       Cálculo de Km/litro de computador de bordo de carro é igual a termômetro de Gramado. Marca sempre a menos que o indicado.

     Comerciais antigos

    propagandas antigas

       Eram toscos, é verdade, mas era o que a tecnologia oferecia na época. E eram ingênuos, como nós e o Brasil. Veja: aqui.

    Jornal do Comércio

       Leia e assine o JC clicando aqui.

    Publicado por: Nenhum comentário em A era do terrorismo

    O prego que fica saliente é que leva a martelada.

    • Conselho aos vaidosos •

  • Edição extraordinária

    Publicado por: • 24 mai • Publicado em: Sem categoria

       Faltava um último exame para que eu me livrasse de qualquer dúvida, o de imunoterapia. Nas palavras do oncologista Carlos Eugênio Escovar, o resultado do exame foi “maravilhoso, sem problemas.” Então sem quimioterapia ou outra medicação. Êta nóis!

    Mandrake duplo

       Os caminhoneiros estão parados e o governo está quase parando. Urge solução imediata para terminar com esse movimento. Com os prejuízos que causam a quem não tem nada a ver com o samba do diesel doido, não contem com minha simpatia. Eles matam o Brasil desse jeito.

    TI Banrisul

       11º Fórum de TI -Abertura público-23-5-18

       A atualidade e o futuro da transformação digital já podem ser conferidos na Capital, em um dos eventos de tecnologia que se tornou referência no País, o Fórum Internacional de TI Banrisul. Na 11ª edição, que tem como tema central A Era da Inovação Disruptiva, o Teatro do Bourbon Country estava completamente lotado na solenidade de abertura, que ocorreu na manhã de ontem (23).

    11º Fórum de TI -1º Painel-23-5-18

       Em seu pronunciamento, o presidente do Banrisul, Luiz Gonzaga Mota, ressaltou o compromisso do Banco em evoluir sempre com o seu público, levando o que há de mais avançado para o cliente e mantendo sempre a segurança operacional em primeiríssimo lugar. “Em março de 2018, quase metade das nossas operações foram efetuadas nos canais digitais”, destacou.

    11º Fórum de TI -governador-23-5-18

    Fotos: David Pires

    Novidades no Cais

       O Cais Mauá se tornará um dos pontos mais frequentados por torcedores da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo. Um contrato assinado com a Budweiser permitirá acompanhar todos os jogos e participar de várias atividades em um dos armazéns da área. A Bud Basement POA irá disponibilizar diversas atrações. É uma amostra do que virá quando o Cais Mauá estiver operacional.

    O humor da Bud

       Os melhores comerciais de cerveja foram feitos pela Buweiser. E estão nos devendo uma safra nova, estão desaparecidas as peças brilhantes de outrora. Confira:

    Publicado por: Nenhum comentário em Edição extraordinária

    A palavra foi dada ao homem para disfarçar o pensamento.

    • Charles de Talleyrand •