• Bocó de mola

    bocó de mola

    Publicado por: • 16 jul • Publicado em: Sem categoria

    Outra história da minha curta carreira teatral deu-se em São Vendelino, também nos tempos de calças curtas migrando para as compridas, ritual de passagem que, na época, dava-se acima dos 10-12 anos. Era a glória não usar mais as calças curtas, mas os suspensórios ficavam. Cinto era o upgrade seguinte. Em finais de semana, alguns moradores criaram uma troupe que se apresentava em escolas da região, uma das poucas diversões do tempo em que nem luz elétrica constante existia.

    Eram sketches curtos, de humor ingênuo dos anos 1950. Tanto enchi o saco da chefia do grupo que me deram uma chance, depois que mostrei reservadamente meu número. Cá pra nós, não era ruim. Não sei se copiei ou criei, para ser honesto. Eu entrava no recinto da escola com chapéu e começava a procurar um lugar para pendurá-lo. Como não havia algo para pendurá-lo, peguei o giz e desenhei um “L” no quadro-negro e pendurei o chapéu na ponta.

    Murmúrios gerais, palmas para o mágico. Segundos depois eu recolocava o chapéu na cabeça não sem antes tirar um preguinho que coloquei na ponta de baixo do “L”.  Repeti o quadro em outras apresentações, até que enchi do número. Implorei por nova chance. Certa noite, mostraram-me o roteiro do meu novo número. Eu tinha que me esconder dentro de uma barrica e subir, de repente, como o brinquedo bocó de mola.

    O que não me contaram era que eu dava esse pulo depois de receber uma bacia da água mais gelada que o dinheiro podia comprar. Alegando princípio de pneumonia – foi num inverno – pedi demissão do cargo.

    Sic transit gloria mundi.

    Publicado por: Nenhum comentário em Bocó de mola

  • Encerramento

    Jornadas Porto Alegre (3) (2)

    Publicado por: • 16 jul • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    Porto Alegre fechou, sexta à tarde, o ciclo das Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho no Rio Grande do Sul. O evento, que lotou o auditório do Hotel Sheraton, marcou um ano da Lei Nº 13.467, também conhecida como nova lei trabalhista. A próxima capital a receber as Jornadas será Curitiba, no dia 3 de agosto.

    Ainda é cedo

    O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo da Fonseca, declarou que todos os cuidados foram tomados para proteger o trabalhador e garantir seus direitos. E mais, é preciso tempo para que a nova lei seja polida: “É uma reforma de apenas um ano e muitas críticas vieram, sendo todas bem-vindas. São muito importantes estas Jornadas; a discussão é importante ao Brasil”, concluiu Fonseca.

    Convite

    Emocionado, o idealizador da modernização trabalhista e deputado federal Ronaldo Nogueira conclamou: “Quero chamar todos para lutar contra o grande inimigo que é o desemprego. Sem emprego, não há salário, todos têm que estar sintonizados. A lei possibilitou um ambiente seguro para essas mudanças. Custe o que custar, o Brasil vai dar certo”.

    Engajamento

    Um detalhe notável da reunião-almoço foi a presença de autoridades em geral, de presidentes de entidades empresariais, dos próprios empresários e de CEOs de empresas, além de pessoas comuns interessadas na dissecação do diploma legal. Todos os palestrantes, em especial o deputado Robaldo Nogueira, foram muito aplaudidos.

    Brasil sindical

    Fiquei sabendo que o Brasil tem 17 mil sindicatos e 14 centrais sindicais. Na sua explanação, Nogueira salientou que ele procurou as seis maiores, e que acordou em primeiro lugar pontos sem discussão.

    Realmente, no Brasil sempre se discutiu em primeiro lugar os pontos polêmicos para depois os traços de união.

    Lisboa e eu

    lisboa e eu

    Cá estou eu com o jornalista Edgar Lisboa, também colunista do Jornal do Comércio. Repórter Brasília manda os bastidores e informações mais calientes da Capital Federal. Não é fácil lidar com estrelas, astros, cometas, asteróides e Objetos Voadores Não Identificados. Lisboa tem larga carreira em veículos gaúchos.

    Intervalo do espanto

    As autoridades aeronáuticas estão investigando como foi possível um jato da Air China despencar 6 mil metros em voo para Hong Kong. A empresa é uma das maiores do país. Primeira descoberta: o avião despressurizou porque os pilotos estavam…fumando. A investigação não revelou que fumo era, se aqueles que estás pensando ou aquele que só dá câncer.

    Jornal do Comércio

    Leia e assine o JC clicando aqui.

    Publicado por: Nenhum comentário em Encerramento

    Esse negócio de autoajuda depende muito da pessoa.

    • Alguém muito sábio ou muito burro •

  • Amenidades de sexta

    Publicado por: • 13 jul • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    O meu amigo Paulo Motta postou uma frase muito boa, bem ao estilo irreverente que gosto: “Você está muito sensata, precisa consultar um psicopata”. Lembrei de uma dos anos 70: sabem qual a diferença entre um neurótico, um psicopata, um psicótico e um psiquiatra? O primeiro imagina castelos no ar, o psicopata realmente vê os castelos e o psicótico mora neles. O psiquiatra? Cobra o aluguel. Nada pessoal, doutor, são apenas negócios.

    Tristezas de sexta-feira

    O Brasil joga no ralo um volume significativo dos recursos aportados no setor, em razão do excesso de obras que são interrompidas antes da entrega. O trabalho, da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra dados impressionantes. São 2.796 obras paradas, sendo que 517 (18,5%) são de infraestrutura. O saneamento básico lidera, com 447 empreendimentos interrompidos durante a fase de execução.

    Mal de origem

    Todos os presidenciáveis receberam cópia do estudo da CNI, mas é bem provável que as 43 páginas do trabalho acabem no fundo de alguma gaveta do partido do candidato. Na melhor das hipóteses, ele dará uma olhada, mas é mais provável que a gaveta seja o destino. Esse é o tipo do ralo que o País nunca conseguiu resolver, obra começada e não terminada. Como sempre, foi feito em cima do projeto básico e não do projeto executivo, quando realmente se sabe o que se gastará na obra.

    O voo do boi

    Costumo repetir que já vi boi voar e passarinho pastar, mas sempre aparece uma nova no reinado do quase inacreditável. Uma turista americana queria levar consigo, no avião de volta para os Estados Unidos, uma granada de artilharia da II Guerra Mundial que ela encontrou durante uma visita à Áustria. Quando passaram o Raio X na mala dela o alvoroço só não foi maior porque ela avisou o que levava.

    Quebra conjunta

    A Bolsa subiu e o dólar caiu com alívio na tensão entre EUA e China. Olha, embora sempre exista espaço para o imponderável, a possibilidade de uma guerra que inicia a derrocada do comércio mundial em especial das duas potências é mínima. Trump pode ser louco, mas não é burro. Imagina se os chineses venderem em bloco os títulos do Tesouro americano que têm em carteira. Quebrariam os dois.

    Jornadas do Trabalho

    Balanço das Jornadas no RS - dep. Ronaldo Nogueira

    Comemora-se hoje o primeiro aniversário da assinatura da Lei da Reforma Trabalhista, idealizada pelo deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS). Durante as últimas semanas uma dezena de municípios gaúchos recebeu as Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho, em que a reforma foi explicada para o público em geral pelo próprio deputado Nogueira, coordenador das Jornadas, e pelo ministro do TST Aloysio Corrêa da Veiga. O encerramento da etapa gaúcha será hoje às 12h, no Sheraton. A reunião-almoço já tem as presenças confirmadas do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca, entre outras autoridades federais e locais.

    Publicado por: Nenhum comentário em Amenidades de sexta

    Quatro patas bom; duas patas, ruim.

    • George Orwell •