Quem não é visto não é lembrado.

    • Desculpa para não ir a velório •

  • O desabafo de um guerreiro

    Publicado por: • 22 jun • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    Há dias, publiquei, na página 3 do Jornal do Comércio, uma nota do veterano empresário Paulo Vellinho, 91, citando um evento em que ele sugeriu que todos os candidatos a presidente fizessem exame do Enem e, caso não passassem não poderiam concorrer. Em resposta, Paulo enviou a nota abaixo que divido em duas partes.

    O que está sendo praticado em nome da democracia é uma afronta à realidade e está custando muito caro à maioria absoluta da nossa sociedade já tão sacrificada pela conjuntura. Aliás, conjuntura essa criada pela incompetência, desonestidade e impunidade à que se dão direito os nossos políticos, principalmente os ficha-suja.

    As regras existentes para escolher candidatos a nos governar se constitui em um crime infelizmente impune. O resultado é o Brasil que anda de costas para o futuro e se dá ao luxo de jogar fora dez anos de desenvolvimento que haviam sido construídos com muito suor e lágrimas. Como consequência: condenação do País a conviver e aceitar a pobreza e a miséria com naturalidade.

    Tanto faz, tanto fez

    Por mim, e não estou sozinho nessa, a Copa do Mundo poderia terminar hoje mesmo. Ou continuar sem a seleção brasileira. É um período de chateação do tudo fechado em dias de jogo do Brasil, bancos, lojas, repartições públicas e sei eu mais o quê. Chatice em nome do esporte nacional, que já foi mais alegre, mais charmoso e menos fantasioso.

    Jornadas Brasileiras…

    IMG-20180621-WA0008

    “Perder emprego é coisa do passado. Em 2018, o Brasil irá criar mais de um milhão de novas vagas formais de trabalho”, disse o presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, Ronaldo Nogueira, em reunião-almoço, ontem, em Caxias do Sul (RS). Segundo ele, desde abril de 2017, o país cria pelo menos 30 mil vagas/mês, invertendo o ritmo de queda dos últimos anos.

    …discutem o emprego

    As afirmações foram feitas no Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho, evento que irá debater a modernização da legislação do setor. Serão realizados 15 eventos regionais no Rio Grande do Sul com o objetivo debater – de forma técnica e sem ideologia – a aplicação da lei da reforma trabalhista.

    Sequestro no espaço…

    A CMPC Celulose Riograndense investiu para se tornar autossuficiente em geração de energia elétrica, produzida a partir de biomassa, resultante do resíduo do processo de cozimento da madeira. De acordo com o gerente de Qualidade e Ambiente da Celulose Riograndense, Clóvis Zimmer, a empresa gerou, em 2017, 972.675,75 megawatt-hora (MWh), sendo 932.667,52 MWh utilizados para consumo próprio e 39.998,24 MWh despachados para o Sistema Interligado Nacional.

    …com energia limpa

    Essa geração de energia evitou a emissão de 101.414,80 toneladas de CO2 equivalente. Com a energia exportada para a rede nacional, a empresa contribui para a geração de energia limpa, proveniente de combustível não-fóssil. Este é um grande benefício para o planeta, que se dá por meio da redução da quantidade de CO2 na atmosfera e mitigando os efeitos da empresa e de outras atividades de modo a permitir a redução do impacto da intensificação do efeito estufa. No que diz respeito à produção de celulose, para cada tonelada produzida, são sequestradas 9,6 toneladas de CO2 da atmosfera.

    Bioma Pampa

    IMG_1138

    Conservar os campos nativos do bioma Pampa e incrementar a produtividade rural com o manejo adequado das pastagens. Este é o objetivo do projeto Alianza del Pastizal – Produção e Sustentabilidade, lançado ontem pelo governo do Rio Grande do Sul. O convênio com o BRDE e a Associação para Conservação das Aves do Brasil (Save Brasil) prevê R$ 6.716 milhões em financiamentos para execução em 24 meses.

    Publicado por: Nenhum comentário em O desabafo de um guerreiro

  • Galeto de primeira

    Web

    Publicado por: • 22 jun • Publicado em: A Vida como ela foi

    Uma galeteria em cidade do Norte do Rio Grande do Sul era famosa, até em municípios vizinhos, pelo excelente frango recheado que fornecia. A demanda era tanta que, com casa sempre lotada, os clientes faziam a encomenda e levavam o galináceo turbinado para casa.

    Certo domingo, o juiz de Direito da comarca foi buscar o seu. Nem meia hora depois, voltou ao estabelecimento mostrando o frango recheado com uma…tampinha de cerveja. Por uma fração de segundo o dono ficou paralisado, mas logo abriu um sorriso, virou para a cozinha e gritou bem alto para os ouvidos gerais.

    – Ernesto, apareceu o felizardo premiado do nosso sorteio! Já monta um engradado de cerveja e entrega agora para o ilustre magistrado!

    Imagem: Freepik

    Publicado por: Nenhum comentário em Galeto de primeira

  • Jogada ensaiada  

    Publicado por: • 21 jun • Publicado em: Caso do Dia, Frase do Dia

    Vi ontem, antes de uma partida da Copa, cinco indivíduos entrando no gramado no jogo das 15h. Eles caminhavam em formação como se fossem um grupo de coristas rumo ao palco – caso, eles estavam no palco. Não demorou muito e caiu a ficha, eram os cinco árbitros indo pra cá e pra lá na coreografia do aquecimento. Mas em formação ensaiada. Nossa! Até nisso a Fifa faz tudo abotoadinho, engomadinho, comportamento perfunctório.

    Os stripers

    Fiquei matutando. A continuar essa perseguição de espetáculos a qualquer custo e o futebol, que é bom, se exploda, pode que a Fifa finque no centro do gramado um daqueles mastros onde as stripers se apresentam para o quinteto fazer aquelas evoluções em torno da haste, ou nome que tenha.

    Em compensação…

    …perguntei para especialistas em futebol se, até agora, a Copa do Mundo revelou alguma seleção brilhante ou jogo idem. Nããão, disseram em uníssono. Como foi que o futebol perdeu o rumo?

    Luz, mais luz

    O futebol segue a tendência geral e é cada vez mais show que futebol. É como nos espetáculos musicais de bandas ou cantores solo, é cada vez mais pirotecnia e menos melodia e desempenho vocal de qualidade. Prova é que nenhuma seleção brilhou de verdade. Vivemos a era da valorização da moldura e pouco caso para o conteúdo.

    Um pioneiro

    Morreu em São Paulo, aos 75 anos, o professor José Marques de Melo, primeiro doutor em Jornalismo titulado por universidade brasileira (1973), a ECA/USP.

    Sem canudos…

    Um vereador porto-alegrense entrou com projeto de lei proibindo o uso de canudos plásticos nas lanchonetes e restaurantes & cia. Tudo em nome da poluição plástica. Muito bem, que seja. O que farão os proprietários se a lei for aprovada? Oferecerão copos… de plástico ou isopor, que poluem tanto quanto e até mais devido ao maior volume em relação.

    …sem copos

    Se proibirem os copos, virão os copos de vidro, que leva milhares de anos para se decompor, se é que vai. Tem vidro desde o tempo dos fenícios. Para limpar os copos precisa usar detergente, que polui o lençol freático, e usa a cara água tratada. Sai dessa, Matusalém.

    Sem apelos

    Não compartilho do sentimento de extinção dos canudos e nem do apelo da campanha internacional, da ONG Lonely Whale Foundation, que está rolando por aí “Pare de Chupar”:

    …e sem rabanete

    Então vou dar minha contribuição. Proíbam a ingestão de rabanete, do repolho e da batata doce, porque estes alimentos causam flatus, que é metano, que ataca a camada de ozônio que aumenta o efeito estufa.

    Conclusão

    Comer e beber é muito perigoso.

    Publicado por: Nenhum comentário em Jogada ensaiada  

  • O tempo do marrecão

    3 fazendas é dos bons tempos

    Publicado por: • 21 jun • Publicado em: A Vida como ela foi

    Bom tempo do futebol era aquele em que a maior e mais prolongada discussão que movimentava as torcidas era sobre a cobrança de lateral, se o jogador deveria ficar estático para lançar a bola em jogo ou se ele poderia dar uma corridinha para conseguir mais impulso, por via de consequência, a bola ia bem mais longe

    Bons eram os tempos em que havia os beques, o beque de espera, o center-forward, o referee (árbitro), o marrecão (gandula), o gol-keeper (goleiro). Bons tempos foram aqueles em que, no futebol de várzea, a renda da cerveja na copa excedia a renda da bilheteria.

    Bom tempo era aquele em que um clube de futebol de Bagé jogava com três zagueiros alcunhados de “Os Três Fazenda”. Como existe a cachaça 3 Fazendas, adivinhem qual a origem do apelido do trio?

    Publicado por: Nenhum comentário em O tempo do marrecão