• O pacote

    Publicado por: • 20 jan • Publicado em: A Vida como ela foi

    Atrás de um avental que um dia já foi branco, o bodegueiro do balcão perguntou ao recém-chegado o que ele queria comer ou beber.

    – Me dá um metro de cachaça.

    O dono do pé-sujo fez um ar de enfado.

    – Pô, meu, isso é mais velho que homem urinar pra frente. Na piada, eu despejaria um metro de cachaça no balcão.

    O recém-chegado nem piscou.

    – Pois então me dá um quilo de cachaça.

    – Um quilo? Cachaça se mede por litro.

    – E por acaso cachaça não pesa? Nem água nem outro líquido qualquer?

    O cara do avental sujo ficou desconcertado.

    – Bom, lá isso é verdade.

    Pegou um vasilhame, botou na balança para ver a tara, e depois despejou cachaça até a agulha da balança Felizolla do tempo da II Guerra Mundial marcar um quilo.

    – Pronto. Como o senhor vai levar o quilo? Não posso abrir mão do vasilhame.

    Imperturbável, o cliente deu a dica.

    – Embrulha em cinco pacotinhos de 200 gramas.

    Foi a vez do bodegueiro devolver.

    – Pena, não tenho papel de embrulho. Quem sabe trocamos por litro?

    – Não mesmo. O cliente sempre tem razão, lembre-se disso. Vou começar de novo: quero um quilo de cachaça. Pode ser em garrafa.

    Publicado por: Nenhum comentário em O pacote

  • Poetas do Grenal

    grenal dos poetas

    Publicado por: • 20 jan • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    Tudo no Rio Grande do Sul é grenalizado. Não só no futebol, mas na política, na gastronomia, em qualquer manifestação cultural. Até que demorou para alguém fazer travessura com estátuas de monstros sagrados. Carlos Drummond e Andrade e Mário Quintana ganharam cobertura capilar de uma moradora de rua. Livres de UV, provisoriamente.

    banrisul

    UM EXÉRCITO NAS RUAS

    Não sei se é geral, mas nunca vi tanto pedinte nas ruas de Porto Alegre. Como é sabido, muitos moradores de rua fizeram a opção. Desistiram. A sobrevivência depende da boa vontade dos passantes. Parte tem problemas de alcoolismo, então tudo fica mais difícil. Não estou negando a tragédia, mas há muito espertinho no meio dos que estão realmente – e literalmente – em petição de miséria. Então pedem comida ou dinheiro. Não lembro de alguém pedir roupa, mesmo no duto inverno.

    DO ATESTADO AO LEITE

    Alguns mostram atestados médicos, receitas de medicamentos antigos, e uma parte pequena diz que ele espera até você comprar o que ele precisa na farmácia, às vezes leite ou fraldas. Em tese, essa gente não vai desviar recursos para fins menos nobres, digamos assim. O caso é que não condeno os bêbados. Pensa bem. Na pior merda do mundo, com doenças, por que o sujeito não pode alterar a consciência e ter pelo menos algum tempo de euforia, artificial, mas euforia?

    O que acontece tem a ver com o avanço tecnológico. Quase todas as pessoas não levam mais dinheiro no bolso, é tudo com cartão. Daí porque quando dão esmola dão só trocados em moedas.

    UM PAÍS DE PELADOS

    Aí por novembro escrevi aqui e no Jornal do Comércio que a reativação da economia só se daria se o povo tivesse renda, até para pagar as contas. Essa é uma variável que não dá para controlar. É da índole de povos sem educação financeira gastar mais do que ganha. Mas o fulcro da questão é que ganhamos pouco. Imagine alguém que perceba R$ 8 mil mensais. Não é de se jogar fora, certo? O IBGE até classifica quem tem essa renda mensal como sendo da classe média, uma coisa absurda porque insinua que é mais que a maioria da população ganha. É a cultura de nivelar por baixo.

    É BOM, MAS É RUIM

    Muito bem, oito quilos de alcatra por mês, é um bom salário. Mas transforme os reais em dólares e o resultado é óbvio: você ganha US$ 2 mil mensais, e isso o deixaria tão distante de fazer parte da classe média quanto o monte Everest. Então, ganhamos muito mal, essa é a tragédia. Todo mundo fala na distribuição de renda e sugerem que os mais ricos sejam taxados, muito mais taxados. Por acaso isso melhora a sua renda?

    NA MARRA

    Volta e meia dizemos que os jogadores de futebol ganham demais, é um absurdo ganhar salários como 300 ou 600 mil reais. Tem até quem sugira que jogador de futebol não deve ganhar mais que 80 ou 100 mil, teto estabelecido por lei. Perceberam o nivelamento por baixo?  Não é o ganho deles que precisa aumentar, o dos outros precisa diminuir.

    DAÍ QUE…

    …somos um país de invejosos. E se o Brasil tem 200 milhões ou mais treinadores de futebol, tem outro tanto de salvadores da pátria. Somos os maiores especialistas nessa matéria. Não sei porque o miserável país africano Burkina Faso ainda não nos contratou.

    O PEIXE QUE ABRE A BOCA

    Um dos primeiros provérbios que guardei desde cedo foi “o peixe morre pela boca”. Evidentemente, a frase foi cunhada antes da invenção da tarrafa e da rede. Mas é atualíssimo, não é mesmo ex-Secretário Roberto Alvim? O governo do Capitão tem vocação para fraseados desastrosos. Este último foi pior que a soma dos anteriores. A prole do presidente e ele próprio cometeram vários e, nos últimos tempos, parece que aprenderam a lição. Ou estão em recesso.

    OS MALDITOS

    Hitler e Goebbels são malditos por justa causa. Stalin e Mao Tse Tung também deveriam ser. Mas não são, por motivos conhecidos. Foram é mal compreendidos.

    QUEM FOI QUE

    Agora precisa explicar para os analfabetos funcionais deste país quem foi e o que fez Joseph Goebbels. Eventualmente, também para os alfabetizados.

    DE BOCAS ABERTAS E FECHADAS

    Só direi,
    Crispadamente recolhido e mudo,
    Que quem se cala quando me calei
    Não poderá morrer sem dizer tudo.

    (José Saramago)

    PENSAMENTO DO DIAS

    Um improviso musical malfeito nada mais é que um instrumento à procura de uma melodia.

    Publicado por: Nenhum comentário em Poetas do Grenal

  • O diabo pode citar as Sagradas Escrituras quando isso lhe convém.

    • William Shakespeare   •

  • Ameaças

    Publicado por: • 19 jan • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    (*) A CADA ano, hackers criam diversas novas ameaças cibernéticas capazes de paralisar empresas de qualquer lugar do mundo em poucos segundos. Criminosos se aproveitam de regras estabelecidas pelas leis de proteção de dados (GDPR, na Europa, e LGPD, no Brasil) para “lucrar” com o roubo de dados pessoais ou confidenciais de grandes corporações, seguido por solicitação de pagamento pelo seu resgate.

    (*) Por Alexis Aguirre

    (*) TODOS nós nascemos e morremos clientes, desde a maternidade até o cemitério. E a verdade é que não existe um momento mais propício para conduzir a mensagem sobre resgatar os valores — nossos e os do outro.

    Em qualquer lugar do planeta, habitantes se tornam consumidores de produtos ou serviços com o objetivo de sobreviver, ter qualidade de vida ou de garantir a satisfação pessoal — e merecemos. Seja em Mountain View, na Califórnia, ou Padaria Katete, no Malawi, o país mais pobre do mundo. Somos clientes!

    (*) Tomás Duarte – Co-fundador e CEO da Track

    Publicado por: Nenhum comentário em Ameaças

  • Aprendendo

    Publicado por: • 18 jan • Publicado em: Caso do Dia

    PARA que um ano terminado em 00 seja bissexto, o número formado pelos dois primeiros algarismos tem que ser divisível por 4. Como 21 não é, 2100 não será bissexto, nem 2200 e nem 2300. Só 2400. Vivendo e aprendendo.

    “DOUTOR em corrupção e superação”. Esse é o título de uma reportagem de quase uma página sobre o advogado da União Claudio de Castro Panoeiro publicada na última terça-feira (14/01) no jornal espanhol La Gaceta de Salamanca. O destaque dado ao Membro da Advocacia-Geral da União (AGU) deve-se ao fato de ele ser cego e estar concluindo o curso de doutorado na Universidade de Salamanca, na Espanha.

    A defesa de sua tese foi feita na sexta-feira (17/01). O advogado da União, que atua na Coordenação de Defesa da Probidade Administrativa da Procuradoria Regional da União da 2ª Região, no Rio de Janeiro, fez um estudo sobre o desvio de recursos públicos nas obras dos jogos olímpicos do Rio.

    O TERCEIRO domingo do mês, dia 19, terá atividades para diversos públicos, de adultos a crianças, no Shopping TOTAL. A programação terá o tradicional encontro de carros antigos, com o Veteran Car Club, além de food trucks de gastronomia e chopp artesanal, o Fusca e Meio Beer e o Coral Brasil Cachaças.

    Nesta edição especial de verão, haverá um baile popular de tango (conhecido como Milonga), do Tanguera Estudio de Danza Valentin Cruz, das 16h30min às 20h. Por volta das 18h30min, haverá uma aula pocket aberta ao público. Das 14h às 18h, será realizada uma nova edição da Feira de Adoção de PETS, em parceria com a Águia Veterinária, a Majuna Proteção Animal e outras entidades. Entrada franca. Das 10h às 18h, no Largo Cultural do shopping.

    Publicado por: Nenhum comentário em Aprendendo