• Diário de uma Vida Nova

    Publicado por: • 23 abr • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    Prefácio

    Só tem uma coisa que me chateia. Eu deveria ter aproveitado a cirurgia para fazer uma lipo.

    A travessia

    “Atravessando o Vale das Sombras, o Senhor é meu pastor e nada me faltará.” A citação bíblica é uma bela demonstração de esperança e fé inquebrantável e reconfortante. Mas a bem da verdade não pensei nela quando recebi o diagnóstico, nem antes e nem  depois da cirurgia enquanto esperava o resultado dos exames para saber se houve metástase e se eu precisaria fazer quimioterapia. Negativo para os dois, soube na semana passada – a cirurgia foi dia 21 de março.

    Eu fora

    Para ser sincero, em nenhum momento, ao longo de todo esse tempo, aflorou a palavra sinistra “morte”. Nem quando soube que o tumor no reto era maligno. Simplesmente, apenas dei-me conta de que deveria passar por uma grande chateação, mas não cogitei passar dessa para a outra. Pouco antes da anestesia, pensei que acidentes de trabalho acontecem e sempre havia a possibilidade do barqueiro Caronte estar esperando.

    Eu não prometo

    Também não fiz a clássica revisão da minha vida e nem fiz juras de que eu seria um cara diferente se eu sobrevivesse, como falei, a uma grande chateação. E descobri que dar uma parada nessa minha vida de caxias não era nada mau. Tal qual um piloto kamikaze na guerra do Pacífico na II Guerra Mundial, a faixa branca que amarrei na cabeça não tinha a tradução de kamikaze (vento divino) e sim o lema de todo workaholic “meu nome é trabalho”. No fundo, isso também é ser kamikaze, não é mesmo?

    O dindim

    Não é nada não é nada, estou no basquete há 57 anos. Comecei como funcionário da secretaria de  colégio e depois de banco. Então, não posso ser acusado de dormir com a preguiça. O único problema dessa tentativa de trabalhar menos é o dinheiro, ou sua falta.

    A aprontada do seu Adão

    Se o mundo fosse perfeito todo ser humano deveria nascer com uma bela soma na poupança. Afinal, os católicos como eu, já não nascem com saldo devedor no cheque especial por causa do Adão, que resolveu dar uma bimbada na dona Eva? É como chegar no banco para tirar o primeiro talão de cheques e ser informado que  meu saldo era devedor, mesmo sem ter emitido nenhum. Pois deveria ter um contraponto.

    JC

    Leia e assine o Jornal do Comércio clicando aqui.

    Publicado por: Nenhum comentário em Diário de uma Vida Nova

  • A queda

    Publicado por: • 23 abr • Publicado em: A Vida como ela foi

    Pouco antes de disputar e reeleição, no final dos anos 1960, o chanceler da Alemanha Willy Brandt foi a Munique. Entre idas e vindas pela cidade, viu uma mulher levando um tombo quando atravessava a rua. Brandt imediatamente a ajudou a se levantar. A mulher o reconheceu.

       – Muito obrigada, chanceler. Não sei como agradecer.

       – Minha senhora, é obrigação minha, mas se for o caso, gostaria que a senhora e sua família votassem em mim  – respondeu Brandt.

       – Herr Willy Brandt, eu caí de bunda, não de cabeça.

      Em todo o mundo tem eleitor que sempre cai de cabeça.

    Publicado por: Nenhum comentário em A queda

    Em 22 de abril de 1500, descobriram o Brasil. Até hoje ele não se achou.

    • F. A. •

  • Diário de uma Vida Nova

    Publicado por: • 20 abr • Publicado em: Caso do Dia

    A ressurreição

    Vou dar duas notícias sobre a minha situação. Semana que vem, recomeço minhas atividades externas – eu estava no regime fechado – e, durante três horas por dia, poderei borboletear no exterior, incluindo retomar parcialmente a Página 3 do Jornal do Comércio. Então, agora estou no semiaberto, sem precisar usar tornozeleira eletrônica. O que é o estudo.

    O alívio

    A ótima notícia é que o oncologista Carlos Eugênio Escobar me tirou pelo menos 250 kg do lombo. Disse, ontem, que não preciso fazer quimioterapia. Eu tenho as seis condições necessárias para não se fazer quimio. Então, como o tumor estava no reto e foi convenientemente extirpado pelo doutor Daniel Azambuja, nem precisei usar a bolsinha ligada ao intestino pós-cirurgia. Então, eu sou um sujeito rabudo. Duplamente. É mole?

    IMG-20180317-WA0006

    Eu, antes das boas notícias

    PORTO ALEGRE (16)

    Após as boas notícias

    Fórmula 1

    Escobar me deu uma interessante explicação sobre como chegou a esse diagnóstico. O que achei mais interessante é que tumores do lado esquerdo do reto têm menos chance de metástase que os do lado direito. Essa é uma descoberta recente, tem dois anos apenas. O motivo é desconhecido. Falamos bastante sobre a velocidade dos avanços da medicina. Escobar contou que alguns deles são tão surpreendentes que nem ele esperava fossem possíveis enquanto vivesse. E olha que ele é moço.

    Os assimétricos

    Sobre a assimetria do corpo humano, caso de tumores no reto, minha filha Fabíola – que desde o dia 16 é Doutora em Medicina de Equinos pela UFRGS – diz que a assimetria é comum também em animais: em éguas, a ovulação é mais frequente no ovário esquerdo, fato observado em diversos estudos científicos.

    Quem explica?

    Eu mesmo tenho diferenças entre pernas, a direita é mais propensa a incomodações que a esquerda. Por que nossos organismos são assimétricos –  mesmo considerando destros e canhotos – é um  mistério. Quem souber a causa e comprová-la, ficará rico.

    O reinício

    Então ficamos combinados: estou de direito e de fato no estágio inicial de uma vida nova.

    JC

    Leia e assine o Jornal do Comércio clicando aqui.

    Publicado por: Nenhum comentário em Diário de uma Vida Nova

  • O salsicha

    Publicado por: • 20 abr • Publicado em: A Vida como ela foi

    O sábio reunificador da Alemanha Otto von Bismarck já dizia que ao povo não convém saber como se fazem leis e salsichas. Razão tinha ele, como falava o bom velhinho da Guerra nas Estrelas. E vale até hoje. Para os dois. Como eu gosto  muito de salsichas, certa vez, conferi a fabricação, mas só no estágio final, quando se adiciona corante e gelo em escamas para dar liga. Antes, não sei.

    O fato é que há salsichas e salsichas. E aqui temos poucas opções de marcas, diferentemente, de São Paulo. Eu gosto da Ceratti, salsicha longa. Mas minha filha Fabíola me disse que, com carne suína, só podemos confiar nas tipo Franfurt e Viena. De fato, você nota no gosto. Fora estas, muitas marcas sem marca, digamos assim, de menor expressão, colocam mais lecitina de soja que carne propriamente dita, um milagre da química fina suíça.

    No passado, eu fazia uma pegadinha com os incautos. Com o ar mais sério do meu arsenal, contava que a salsicha tipo Franfurt só era encontrável em Viena e vice-versa. Muita gente boa acreditava devido à minha origem – meu pai veio da Alemanha para o Brasil em 1920. Enfim, nascer no Brasil mesmo com pai alemão e mãe descendente de alemães sempre tem um risco de sacanagem. É alguma coisa que botam na água, creio.

    Publicado por: Nenhum comentário em O salsicha