• Helene e Bach

    Colunista-Fernando-Albrecht-fala-da-dádiva-que-é-poder-ouvir-peças-de-Bach

    Publicado por: • 25 set • Publicado em: Notas

    Música é uma sucessão de sons agradáveis aos ouvidos. É a melhor ou uma das melhores definições que conheço. Cada um define o que é um som agradável ao ouvido, mas não estarei sozinho ao dizer que esta peça do velho, bom e glorioso J. S. Bach é uma daquelas que, ao piano de Helene Grimaud, vale a pena ter nascido só pela dádiva de ouvi-la. Clique no link e deleite-se: http://ow.ly/SGndK

    Publicado por: Nenhum comentário em Helene e Bach

    Previsões geralmente nos dizem mais sobre quem as fez do que as previsões em si.

    • Megainvestidor Warren Buffett •

  • Pelo tubo

    Publicado por: • 25 set • Publicado em: Caso do Dia

    Se teve uma informação que deixou as redações cá do Sul perdidos na polvadeira foi na hora de fechar as matérias com o valor do dólar. Ele tanto subiu reto como um círio pascal até R$ 4,25 como depois caiu para abaixo dos quatro pilas. O problema foi que ninguém se acertava nas decimais, ou melhor, havia divergência nas decimais nas agências de notícias e nas edições online dos jornalões. É aquilo que sempre repito, o jornalismo hoje bebe das mesmas três ou quatro fontes. Então quando elas não se acertam, atrapalha o fechamento.

    A concentração em poucas fontes (inclusive internacionais, e isso que já inventaram a internet) causou um efeito curioso nas redações. Mal comparando, é como narrar jogo de futebol pelo tubo. Finalmente inventamos o jornalismo imóvel.

    Publicado por: Nenhum comentário em Pelo tubo

  • Culpa da gasolina

    A-culpa-do-aument5o-do-preço-do-estacionamento-é-da-gasolina-diz-o-funcionário-a-Fernando-Albrecht-em-A-Vida-Como-Ela-Foi

    Publicado por: • 25 set • Publicado em: A Vida como ela foi

    Se é para aumentar preços, a malandragem brasileira dá de relho. Especialmente na área de serviços. Qualquer coisa é desculpa para dar uma facada. Um dos casos que guardo vivo na memória aconteceu no início dos anos 2000. O estacionamento do antigo hortomercado da rua Quintino Bocaiúva, próximo ao entroncamento com a Cristóvão Colombo, de repente subiu o preço da hora como se fosse um foguete Atlas. Perguntei ao atendente do guichê qual o motivo da pulada.

    – É que subiu a gasolina – disse ele sem muita convicção.

    Dei uma risada.

    – Mas o que é isso, cara! O que tem a ver alta da gasolina com preço de estacionamento? Justo um lugar onde não se gasta combustível!

    Ele ficou meio aparvalhado buscando uma saída não traumática. Coçou a cabeça com a caneta Bic. De repente, descobriu a saída, obviamente ensinada.

    – O que o senhor sabe dos nossos custos?

    Como é que vou discutir com um papagaio ensinado? Mas resolvi botar graveto no ouvido dele.

    – Bem, isso lá é verdade. Mas vou te dar um conselho. Tens direito a um aumento na mesma proporção. Ele te aumentou?

    – Nnnnão…

    – Pois então tá errado. É lei. Lei 3.300 parágrafo dois da ceeletê. Vai lá e esfrega na cara dele.

    Não sei no que deu. Vai ver, e o patrão ficou impressionado com a lei 3.300 e aumentou o salário do funcionário.

    Ou não.

    Publicado por: Nenhum comentário em Culpa da gasolina

  • Do inferno 

    Publicado por: • 25 set • Publicado em: Notas

    Na sua visita aos Estados Unidos, o papa Francisco pediu o fim de pena de morte no país. Vai ter que fazer uma peregrinação estado por estado, porque lá cada unidade da federação decide se aplica ou não a pena capital. Sua Santidade, posso pedir algo assim? O senhor poderia abolir o inferno?

    Publicado por: Nenhum comentário em Do inferno