Passe livre para o nada

21 mar • NotasNenhum comentário em Passe livre para o nada

O livro “Por Trás da Máscara — Do Passe Livre aos Black Blocs, as Manifestações que Tomaram as Ruas do Brasil”, de Flavio Morgenstern, traz uma conclusão instigante sobre os movimentos que convulsionaram o país em 2013: porque eles não deram em nada.

A epígrafe do livro, de filósofo José Ortega y Gasset, resume a visão do autor: “Como (as massas) não veem nas vantagens da civilização um invento e uma construção prodigiosos, que só com grandes esforços e cautelas se podem sustentar, creem que seu papel se reduz a exigi-las peremptoriamente, como se fossem direitos nativos. Nas agitações provocadas pela escassez, as massas populares costumam procurar pão, e o meio que empregam costuma ser o de destruir as padarias.”

É ou não é um primor de conclusão? No tempo do Ortega (“eu sou eu mais minhas circunstâncias”) não existia transporte urbano, mas se vivo fosse, poderia acrescentar a quebradeira dos ônibus ao lado das padarias.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »