O sábio Amaro Juvenal

20 dez • A Vida como ela foiNenhum comentário em O sábio Amaro Juvenal

O povo é como o boi manso,
Quando novilho atropela,
Bufa, pula, se arrepela,
Escrapeteia e se zanga;
Depois. . . vem lamber a canga
E torna-se amigo dela.

 Este é um do versos de uma das melhores coisas já escritas nesta Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, o poemeto campestre “Antonio Chimango”, ou o então presidente do Estado Borges de Medeiros. O autor, que usou o pseudônimo de Amaro Juvenal, foi Ramiro Barcellos. Procurem nos sebos, de preferência. Em último caso, na internet. Quase todas as edições são antigas, portanto tem cheiro (bom) de livro velho. Como hoje em dia, certo? Aqui vai o verso final. Também atualíssimo.

Home é bicho que se doma
Como qualquer outro bicho;
l em às vezes seu capricho,
Mas logo larga de mão;
Vendo no cocho a ração,
Faz que não sente o rabicho.

Como as coisas não mudam, não é mesmo?

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »