Via crucis 

6 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em Via crucis 

Hsnger, Timol e Kunker. Não sei se a grafia é essa, porque fui apresentado a esses senhores há mais de 50 anos. Eram conhecidos como provas hepáticas. Você achava que seu fígado estava pedindo socorro, especialmente depois de alguns porres, e então ia ao médico ou simplesmente ia ao laboratório de algum amigo para tirar a dúvida.

Naqueles tempos, estas três referências davam seu quadro pelo critério de cruzes que vinham nos resultados. Uma cruz em uma ou duas, quase normal, acima de duas preocupava. Com quatro e quatro nas três você ganhava o campeonato. Aprendi tudo isso quando dividia um apartamento com três amigos, e um deles estava no último ano de bioquímica. Chama-se Geraldo Mottin. Faleceu prematuramente.

Como ele acordava mais cedo para a aula da Faculdade, eu servia de cobaia. Várias vezes, acordei sentindo uma picada mais ou menos dolorosa. Era o Gera tirando meu sangue para as aulas práticas. Aliado à minha curiosidade, a expertise do Geraldo, fiquei sabendo das tais provas hepáticas, não sei se hoje ainda existe esse trio.

Aprendi que os reagentes – hoje chamam de reativos – contaminados ou de procedência duvidosa, podiam dar falsos positivos e falsos negativos. Como hoje, aliás. Vai daí que um dia um conhecido que trabalhava em um laboratório de análises clínicas desconhecido se ofereceu para fazer as tais provas.

Levei um susto com o resultado. Eu tinha QUATRO cruzes nas três! Fui correndo para o Laboratório Faillace e pedi para fazer o mesmo exame. Contei o meu problema para o cara que me atendeu, acho que Renato Faillace. Ele deu uma risada.

– Se você tivesse quatro cruzes nas três provas não estaria aqui de pé, estaria se arrastando ou já posto em sossego em um lugar cheio de cruzes de verdade.

Saiu o resultado. Zero cruzes. Absolvido pelo Hanger, Timol e Kunker. Estejam onde estiverem, desculpem se errei a grafia do nome de vocês.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »