Um dia daqueles

15 jun • A Vida como ela foi2 comentários em Um dia daqueles

perna quebrada [Converted]Volta e meia lembro de um dos mais funestos dias da minha existência. Morávamos em São Vendelino, onde meu pai tinha uma venda e dois possantes caminhões Ford F8 para “puxar carga”. Além disso, tinha uma prensa de alfafa, a comida preferida dos cavalos.

Eu encarreirava sete ou oito anos. Domingo festivo, Bodas de Prata do seu Franz Josef Albrecht e dona Felicitas Avelina Selbach Albrecht. Cita para os alemães e Zita para os demais povos. Rapaz, sou capaz de descrever todo o cenário, as plantas, arbustos, o depósito de alfafa para formar os fardos e até os cheiros daquele dia funesto. Brincávamos na prensa, movida por um cavalo, naquele dia era tracionada – de brincadeira – por primos e amigos.

De alguma forma, deixei a perna direita no lugar errado. Fratura feia. Fui levado às pressas para o hospital de Bom Princípio. Hoje se vai num upa, mas na época os carros andavam a 40 km por hora nas estradas de chão batido. Outra zebra: pifou a anestesia no meio da cirurgia. Rima, mas doeu pra caramba. Então me levaram para o hospital de São Sebastião do Caí.

Adivinhem o que aconteceu com o sortudo aqui. Sim, pifou a anestesia de novo no meio da operação. Não era como hoje, você cheirava clorofórmio, um éter que não dava barato. Dizem que deixei surdos todos os pacientes, enfermeiras, médico e até os anões de jardim daquele nosocômio.

Mas tem que ver o lado positivo. Não só ganhei brinquedos fora do Natal, como também não precisei ir ao grupo escolar por um mês.

A única coisa chata era o comichão por baixo do gesso.

2 Responses to Um dia daqueles

  1. Sérgio Alves de Oliveira disse:

    D.F.Albrecht-Mesmo de longe, e após tantos anos,continuas a me fazer rir .Na´´época tinha o “Fê” 6,e o “Fê 8″. Esse teu “consolo” com a quebra da perna e o sofrimento nos hospitais me faz lembrar daquela cara que num acidente perdeu as duas pernas,mas que acabou se “consolado” por

  2. Sérgio Alves de Oliveira disse:

    D.F.Albrecht-Mesmo de longe, e após tantos anos,continuas a me fazer rir .Na´´época,não? lá de São Vendelino tinha o “Fê” 6,e o “Fê 8″,não era isso? Esse teu “consolo” com a quebra da perna e o sofrimento nos hospitais me faz lembrar daquela cara que num acidente perdeu as duas pernas,mas que acabou se “consolado” porque o enfermeiro queria comprar as suas botas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »