Barba, cabelo e bigode

8 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em Barba, cabelo e bigode

  Ouvi de um conhecido um relato fantástico sobre o triste destino de um amigo comum, já falecido. Fez de tudo e o pouco dinheiro que ganhava na profissão era para manter a mulher e os dois filhos. Prestes a se aposentar, recebeu uma bela bolada, fruto de ação judicial que não vem ao caso. Então fez o que sempre sonhou, comprar um terrenão em cidade vizinha da Capital e viver a vida. Ele curtia muito um baseado e cerveja.

  O homem põe e Deus dispõe. A mulher entrou em uma dessas seitas que entortou sua cabecinha. O lar doce lar se transformou em filial do templo e ele era enxotado quando faziam cultos, com uma pequena multidão no arrasto. Nem fumar mais posso, nem beber, a religião dela proíbe, queixava-se. O lado bom da seita é que ela proibia o sexo mesmo entre casais. Mas o resto era um inferno.

  A história terminou mal para ele. Morreu sem poder curtir a nova casa, a erva e a Brahma Extra, que ele tanto gostava. Ainda bem que não viu o epílogo. A mulher entregou a casa para a igreja e os filhos viraram bispos. Barba, cabelo e bigode.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »