Saudades do meu arroio

18 mai • NotasNenhum comentário em Saudades do meu arroio

 Meu amigo Alfredo Oliveira gostou do texto sobre o fim de Tramandaí e o acelerado ritmo de construção dos espigões que liquidarão com o bucólico praiano. Como conhece o lugar onde nasci, São Vendelino, postou no Face que pretende veranear às margens do arroio Forromeco. Alfredão, até o meu querido Forromeco já não é mais o mesmo. Tenho até medo de revê-lo.

Foto de SV nos anos 1950 /Arquivos da Prefeitura

Foto de SV nos anos 1950 /Arquivos da Prefeitura

Esta foto dos anos 1950 mostra “o centro” de São Vendelino. Na esquerda, a antiga igreja católica, que foi demolida criminosamente para dar lugar a um templo modernoso e feio. Era uma das duas únicas em estilo gótico do Rio Grande do Sul. Os dois ônibus eram do seu Kerber. A casa da direita era do dentista John, não tenho certeza da grafia. Muito grito emiti naquele consultório. A broca era a pedal e a vibração emanada da baixa rotação estremecia até a torre da igreja. Do lado da igreja está a “venda” do Schneider, um armazém que tinha de tudo, de cachaça a vinho passando por tecidos para vestidos, fatiotas e utilidades domésticas.  No lado oposto, havia uma prensa de alfafa, uma mercadoria valiosa que alimentava os cavalos do Exército.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »