Para uma Boa Noite

20 nov • A Vida como ela foi1 comentário em Para uma Boa Noite

repelente

Onipresente nos lares até os anos 1970, os espirais mata-mosquitos tinham enorme vantagem sobre os inseticidas: não eram tóxicos como os inseticidas com DDT, organo-clorados, comuns na época, aplicados por uma bomba manual com nome patenteado de Flit. É verdade que esses espirais mais espantavam do que matavam insetos. Aí é que entra a história do mais famoso espiral, o Boa Noite, fabricado no final dos anos 1940 em diante.

O princípio ativo do Boa Noite era à base de uma plantinha comum na Serra Geral gaúcha, que continham piretro. Era abundante lá pelas bandas de Taquara, lembro. As plantas eram trituradas e misturadas com água, imagino. Depois de secas, uma prensa fazia a espiral, que era destacável – uma placa continha dois espirais do Boa Noite. A fábrica ficava na rua Sarmento Leite, em Porto Alegre.

A piretrina/piretro não era tóxica, a fumaça era o único incômodo no uso. O efeito era tão bom que a Bayer, se não me engano, comprou áreas em Taquara, e depois sintetizou o princípio ativo. Surgiram então os piretróides, usados para combater doenças no gado e também nos inseticidas domésticos – o SBP é um deles.

Interessante o marketing dessa empresa, começando pelo nome. Os mosquitos infernizavam a população e foi uma solução para dormir de janela aberta. Mas quero dizer que, para mim, o melhor modo de não ser picado pelos mosquitos nada tinha de mais, e era muito eficiente: o mosquiteiro.

One Response to Para uma Boa Noite

  1. Rudmar disse:

    Eu gostaria de vender casca de coco para vocês

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »