O repelente do Ratinho

14 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em O repelente do Ratinho

O Irmão marista Afonso era uma mala, o mais sem alça do Ginásio São João Batista de Montenegro, nos meus felizes 13 ou 14 anos. Quando encasquetava com alguma coisa era melhor ficar quieto. Durante uma aula, o Irmão Ratinho, como era conhecido, porque era a cara do Jerry, só que mal humorado como solteirona ouvindo piadinha de sexo, desandou a falar mal das atrizes de cinema que se ofereciam voluptuosamente nos cartazes anunciando filmes.

– É o chamariz repelente da carne – indignava-se.

Achei que estava na hora de marcar meu território. Levantei o dedo como se lança em riste fosse.

– Mas irmão Ra…Afonso, o senhor precisa se decidir. Ou é chamariz ou repelente de carne, porque são excludentes.

Esse ato heroico foi cometido por volta das 10 horas da manhã. Furibundo, quase apoplético, o professor me botou de castigo atrás de uma coluna no pátio, de frente para a parede até as seis da tarde, proibido de falar, rir, chorar. Nunca conheci uma parede com tanta intimidade.

Eu e minha boca grande.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »