A tampinha do Tuxo

10 jul • A Vida como ela foiNenhum comentário em A tampinha do Tuxo

O Bira Tuxo foi um rico personagem de Uruguaiana que deu com os costados em Porto Alegre, anos 1960, segunda metade. Tinha pendor por artes plásticas, então fez um estágio com o escultor Vasco Prado e sua mulher Zorávia Bettiol, acho que é assim a grafia.

O Bira tinha os dentes separados e um pouco de língua presa, de maneiras que seu fraseado era particularmente interessante. O pai dele, também de alcunha Tuxo, tinha um bar em Uruguaiana e consta que falava do mesmo jeito. Certa vez alguém entrou no bar e pediu um bolinho de carne, que estava mofado. Reclamou.

– Mas não é do mofo que se faz penicilina? – redarguiu.

Outro causo notável do Tuxo pai envolvia tampinhas de garrafas. Para impressionar a molecada com sua força física, ele espremia – literalmente – a tampinha de metal usando o indicador e o polegar. Ante o olhar de admiração da garotada, ele se abaixava para ficar na altura deles e finalizava a jactância.

– E ifo que é a maiforte que a companha produf!

Fernando Albrecht

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitterYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »