A noite dos saltos do peixe (1 de 2)

23 nov • A Vida como ela foiNenhum comentário em A noite dos saltos do peixe (1 de 2)

Estava eu em pleno sossego, na redação do jornal Zero Hora em uma noite de primavera de 1969, quando o telefone tocou. Eu era plantão da reportagem inicial, feliz da vida porque consegui escapar da madrugada, jornada que começava por volta da meia-noite e se estendia até as 7h da manhã.

Para conciliar banco – meu outro emprego – e ZH, conseguiu com a diretoria do Banco da Província licença para sair meia hora mais cedo, porque eu tinha que estar na redação às 19h. Naquele tempo, o expediente interno dos bancos ia até 18h45min.

Voltando à vaca fria. O plantão estava calmo, nenhum homicídio, acidente grave, coisa assim. O sujeito que me ligou disse que estava vendo peixe na avenida São Pedro, bairro São Geraldo, via perpendicular à movimentada Farrapos. Como assim, perguntei, peixe numa rua que fica longe do Guaíba? Sim, insistiu ele com aflição, juro por minha mãe!

– Vou dizer mais: já enchi dois baldes deles!

(Conclui segunda-feira) 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »