A hora do espanto

14 jan • A Vida como ela foiNenhum comentário em A hora do espanto

Nos anos 80, eu era comunicador da poderosa Rádio Farroupilha, conta o leitor e advogado Antônio Carlos Côrtes, ao relatar um causo passado naqueles tempos que entrou no folclore da radiofonia gaúcha.

O saudoso Padre Ângelo realizava ao vivo, às 18 horas, “A hora da Ave Maria”. Geralmente, o operador de áudio era sempre o mesmo, então ele sabia a altura adequada para sonoridade da cortina musical (Ave Maria, de Gounod).

Certo dia, o operador adoeceu e foi substituído. No horário aprazado, o padre chegou um pouco atrasado e foi direto ao estúdio entrando no ar sem seguida. A cortina estava um pouco alta e o sacerdote fazia sinal com a mão de alto a baixo para o operador reduzir a intensidade do som.

Este, todo atrapalhado e sem saber o que fazer, achou que o padre Ângelo estava mandando ele se ajoelhar e rezar. Foi o que fez de mãos postas, sem baixar o volume da cortina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »