Saudade do trem

4 out • Caso do DiaNenhum comentário em Saudade do trem

 Em 1880, em pleno Império, o Brasil tinha 30 mil quilômetros de ferrovias construídas. Hoje, são em torno de 30 mil quilômetros, segundo os dados mais recentes. Nos anos 1950/60, o país tinha 28 mil quilômetros de trilhos. Nos anos 1950, a estatal ferroviária do RS, a VFRGS, operava os trens Minuano diesel-elétricas, com luxuosos vagões Pullman. (*) E em 1974, surgiu o Trem Húngaro com serviço de bordo e ar-condicionado, ligando Porto Alegre a Uruguaiana, último suspiro do transporte de passageiros por trem. Hoje, é essa pobreza ferroviária que vemos. É o trem que não vem, do Chico Buarque.

 No mesmo ano, o Brasil era a 4ª maior economia do mundo. Entre 1960 e 1889, a média de crescimento econômico (PIB de hoje) foi de 8,81% ao ano. Tínhamos 14 impostos, hoje são 98. A moeda brasileira se equivalia ao dólar e à então poderosa libra esterlina.

 Saudades do Império? Não, saudades de um Brasil que funcionava.

* (extraído de artigo de Luiz Carlos Souza Moreira)

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »