Grevismos

5 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Grevismos

Era tempo de grevismo, de esquerdismo e de petismo. Por isso mesmo, era tempo de monótonos chavões e mantras ideologizados. Começou com resgate da cidadania e outros resgates como se sequestros fossem. Mas ninguém era mais assíduo em greves e protestos quanto “a nível de”. Não só a esquerda a jogava da boca para fora, mas o mundo corporativo dela se apropriou, como se de Milton Friedman fosse. Logo ele, o pai do neoliberalismo. Entrevistas coletivas de executivos começavam sempre com “a nível de”.

Pois foi nessa época que meu amigo Gil Villeroy passou pela expressão. No térreo do seu prédio, havia uma agência  bancária, e a tropa sindical conclamou colegas para aderir à greve. Os oradores se revezavam ao som de pelo menos uma dúzia de “a nível de”.

Algum tempo depois e sem saber do infausto fechamento da agência, Gil desceu do seu apartamento para fazer uma operação. Surpreso, perguntou  ao vigilante o que se passava. O homem se empertigou todo e foi à fala.

– É que o pessoal está a nível de greve!

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »