A graça da coisa

26 set • Caso do DiaNenhum comentário em A graça da coisa

As campanhas eleitorais são engraçadas. Na maioria dos casos, os candidatos prometem o que não vão e nem poderiam cumprir. Vou resolver o problema da saúde, da educação e disso e daquilo. Em Porto Alegre, por exemplo, querem botar a Guarda Municipal para resolver o problema da segurança, quando, pela Lei da Responsabilidade Fiscal, a prefeitura não pode contratar efetivo maior. Mesma coisa para a EPTC.

Mas o papel, a TV e a internet aceitam qualquer coisa, mesmo promessas absurdas. O que se vê de erro hilário por aí não está no gibi. Certos slogans, bordões e manifestações categóricas precisam ser acompanhados de uma linguagem corporal correspondente. Aí é que está o segredo da coisa. Nenhum marketing vai mudar isso, assim como um salário maior não transforma um perna-de-pau em craque.

Você já nota isso no falar. Políticos que não sabem administrar uma ideia fechada – início, meio e fim – em menos de um minuto e meio, não são do ramo.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »