As tribos de Porto Alegre

24 fev • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em As tribos de Porto Alegre

Até o início dos anos 1970, o carnaval de rua de Porto Alegre tinha a abrilhantá-lo as tribos, grupos cuja fantasias, não raro, eram estereotipadas, quase sempre à base de penas e cocares. Mas o povo adorava ver Comanches, Tapuias, Navajos, Tupis, Guaianazes, Caetés e Bororós entre outros.

Print

NA PASSARELA

O desfile das escolas de samba, blocos e tribos, nos anos 1960, era feito na Borges de Medeiros, com entrada na Joao Alfredo e dispersão na altura do edifício Guaspari, hoje lojas Lebes. No início dos anos 1970, a festa foi na João Pessoa, defronte à Redenção. Uma reta grande, apropriada para eventos dessa natureza.

CACIQUE A RIGOR

Os sambas-enredo sempre tinham temática indígena e quase nada a ver com samba. Aliás, nem hoje tem aqui ou no Rio de Janeiro, é mais marcha-rancho que outra coisa. Em meados da década de 1970, a vencedora foi uma com nome de tribo norte-americana, cujo enredo era a Ascenção e Queda do Império Inca. O refrão era cantado em tupi guarani. E o emocionado cacique recebeu o troféu vestido de terno branco e gravata.

RECADO FINAL

O combinado era que o presidente da escola de samba ou o cacique, no caso das tribos, pegasse o troféu das mãos do prefeito assim que ele passasse em frente do palanque oficial. Só que o cacique da tribo vencedora desrespeitou o script. Arrancou o microfone das mãos do apresentar oficial, o Ayrton “Camelo” Fagundes, e, com a voz embargada pela emoção deu seu recado de forma cadenciada.

– Cacique-agradece-homem- branco-honroso- troféu.

PENSAMENTO DO DIAS

Eu gosto de pular Carnaval. Pular fora dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »