Antecipação de bronca

24 jul • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Antecipação de bronca

As convenções dos partidos que vão se sucedendo guardam algumas surpresas. Uma delas foi o discurso ambivalente da advogada Janaína Paschoal, cotada para ser vice de Jair Bolsonaro. Ela meio que chutou o balde do candidato antes mesmo de ser ungida. A não ser que Bolsonaro e partidos aliados tenham fortes traços de bondade, ela não emplaca.

Parágrafo único

Se Janaína emplacar, vou dizer, pela milésima vez, que já não entendo mais nada. Ou, como dizia o seu Pacheco, capataz de estância ao começar a enxergar mal, “já não DEVULGO mais nada”.

Onde andarão?

As famosas PPPs no Rio Grande do Sul parecem a música “Conceição” cantada por Cauby Peixoto. Se subiram ninguém sabe, ninguém viu. É o único instrumento capaz de transformar este país, mas cadê elas? Sim, a legislação é complicada, mas o que neste Brasil não é complicado?

Queijaria de siglas

A França tem cerca de 300 tipos de queijos. O General De Gaulle disse, nos anos 1960, que era impossível governar um país que produzia 246 tipos de queijos. Agora me digam como se pode governar um país como o Brasil que tem 45 partidos políticos registrados – e aumentando.

Vai encarar?

Foto: Maria Ana Krack/PMPA

Foto: Maria Ana Krack/PMPA

O porto-alegrense é um personagem esquisito. E muito reclamão. Recém-inaugurada, a Orla do Guaíba tem, entre outras atrações, um passarela que adentra o Guaíba, uma espécie de mirante. E o fato da lotação máxima ser de 20 pessoas deu até capa de jornal. Gente reclamando do fato.

Foto: Maria Ana Krack/PMPA

20 metros rasos

Só tem um detalhe: ela avança apenas 20 metros rio adentro e fica a um metro de altura da água. Pareceu-me o título de uma peça do Bardo, Muito Barulho por Nada.

Salgadinhos

Em épocas anteriores o sonho do porto-alegrense era um teleférico que unisse o Morro Santa Teresa a algum ponto da orla do Guaíba. Alguém fez os cálculos e concluiu que para ter viabilidade econômica a empresa que o operasse teria que cobrar um preço salgado.

O exemplo de Canela

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Depende do que seja preço salgado. O teleférico de Canela, reinaugurado com tecnologia de ponta de uma empresa norte-americana do ramo, cobra um preço em torno de R$ 35,00. Mas não é uma tirolesa comum, dessas de ficar a céu aberto sentando num banco, como nas pistas de esqui, é bondinho mesmo.

Foto: Divulgação

Moral da história

Não é bondinho ou teleférico que é caro. Nós é que ganhamos pouco.

Lei da Migração

O BRDE será sede, nesta sexta-feira, a partir das 8h30min, do evento Nova Lei de Migração: uma janela de oportunidades – iniciativa do Governo com o apoio do banco e várias entidades internacionais ligadas ao tema. Entre outros assuntos, especialistas explicarão como aplicar a legislação trabalhista para imigrantes contratados por empresas.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »