A senhora do guarda-sol (*)

10 jul • A Vida como ela foiNenhum comentário em A senhora do guarda-sol (*)

Uma senhora, em vulnerabilidade social, andava pelas ruas de Porto Alegre com o seu carrinho de supermercados, contendo toda as suas coisas neste mundo. Normalmente, costuma-se dizer que a dor ensina a viver. Para esta senhora, a vida tornou-se uma luta constante pela falta de alimentos, de roupas e de um lugar para ficar abrigada do frio.

Eu a encontrei um dia frio, deitada em uma calçada e de imediato a reconheci por causa do seu guarda-sol colorido inseparável. Dia e noite, ela o utilizava, até que eu resolvi perguntar sobre a importância de seu guarda-sol.

Ela respondeu-me:

– Este guarda-sol é o meu teto. Um abrigo para chuva, para o sol e também para me esquentar como uma estufa sob os raios do sol e me abrigar nas noites de frio. É minha casa.

Eu pensei com os meus botões:

– Um guarda-sol é para mim apenas um guarda-sol; porém as necessidades ensinam a tirar proveito das coisas e também agregam novos valores. Como é importante dar valor para as coisas.

* Colaboração jornalista Osni Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »