A grande atração

30 abr • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em A grande atração

São Miguel das Missões

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, esteve em São Miguel das Missões, região noroeste do Rio Grande do Sul. Acompanhado do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, visitou o Sítio Arqueológico do município, que está celebrando 31 anos de emancipação. Lá, eles assistiram à tradicional encenação que relata a luta dos povos jesuítas.

 Foto: Clarice Castro/ Ministério da Cidadania

Recentemente foi lançada a Política Nacional de Gestão Turística dos Sítios Patrimônio Mundial que tem como objetivo estabelecer diretrizes para estimular o turismo sustentável nos 21 sítios brasileiros que recebem o título por seu excepcional valor universal para a humanidade. O decreto elaborado pelo Ministério do Turismo, em parceria com o Ministério da Cidadania e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O sítio é conhecido por Ruínas de São Miguel, é Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

O pai da criança

Walter Seabra, falecido há cerca de cinco anos – aos 90 anos e lá vai pedrada-, pode ser chamado de pai da redescoberta das Ruínas de São Miguel. Meu amigo Seabrinha foi, entre outras especialidades, Secretário de Turismo do Rio Grande do Sul nos anos 1970. Creio que o primeiro no ramo. As ruínas estavam completamente em ruínas, crescia mato no interior, não recebia visitas, não era mostrada em cartões postais nem em livros sobre atrações turísticas gaúchas.

 Foto: Clarice Castro/ Ministério da Cidadania

São Miguel das Missões2

Foi ele sim

Foi ele quem redescobriu as Ruínas. Contou-me que certa feita, fez uma visita à Região das Missões e ficou escandalizado com o desleixo como esse importante marco era tratado. Aliás, éramos ignorantes sobre o assunto fora do povoeiro daquela região. Ele sim deveria ser estátua, inclusive na Serra das Hortênsias. E vou contar por quê.

capa

Nos anos 1950 início dos anos 1960, Gramado era, junto com Canela, a preferida por gente da classe média alta que fugia do calor da cidade grande em busca de um clima mais ameno. Eram poucos os hotéis e pousadas. Foi o Seabra que botou na cabeça da hotelaria e da prefeitura do município que eles tinham que criar atrações para que as famílias subissem a Serra no inverno. Então veio a arquitetura e gastronomia alemã (70% dos moradores eram de origem italiana…) e promoções temáticas várias. Hoje é difícil um brasileiro não saber ou não conhecer Gramado.

Êta nóis!

A grande imprensa tem cada uma…Saiu com destaque a informação que a família Bolsonaro teve 44 multas de trânsito em cinco anos. Cáspite! Se isso não for causa para impeachment, nada mais será…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »