Da banana à panela

4 dez • Caso do DiaNenhum comentário em Da banana à panela

 Está certo, rendo-me, o jornal impresso é cabra marcado para morrer, mas não agora. Como disse Santo Augustinho na hora da conversão, Senhor fazei-me casto, mas não agora. Mas eu vou espernear enquanto estiver vivo e com forças contra a extinção do jornal impresso. Se força de vontade valer, esperneio até no túmulo. E nada de cremação, não estou aí para sair voando quando um neto inventar de espirrar logo quando alguém abrir minha última morada e disser “olha só as cinzas do vovô”. Só falta o pirralho dizer que não sabia que eu fumava tanto.

 Adiante. Não aguento mais começar a ler uma matéria interessante nos jornais virtuais e, quando engato uma segunda, vem um vídeo querendo que eu troque de carro ou compre um apartamento de 40 m2 com arquitetura “onde estás que não te vejo”. Você já viram isso acontecer no impresso? Nunquinhas. O máximo que eles conseguiram foram botar encartes, que tem um severo problema: ao contrário do papel de jornal, não dá para embrulhar banana para amadurecer na marra, nem envolver panelas com comida para guardar o calor, posto que isolante térmico o papel-jornal é.

 Ainda teremos saudades das bobinas de jornal e seus fabricantes.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »