A crise das tulipas 

26 out • Caso do Dia1 comentário em A crise das tulipas 

Beautiful bouquet of tulips in spring season .

 Essas moedas virtuais que andam por aí, bitcoin & Cia., não me despertam confiança. Analistas dizem que ela pode ser uma enorme bolha que pode estourar, mais dia menos dia. Quando você deposita dinheiro em um banco, há garantias, ele está lá, existe fisicamente, e o Banco Central faz de tudo para fiscalizá-lo e até intervir se for o caso, garantindo seu rico dinheirinho.

 Nas virtuais, não existe um banco. Elas estão no espaço, existe e ao mesmo tempo não existe. Não há nenhum “banco” que o garanta se desaparecer o fator comum que deixa as coisas em pé, principalmente a economia: a confiança. Quando ela desaparece, sai da frente.

 A confiança é o xis da questão. Porque se, de repente, um grupo de pessoas achar que as moedas virtuais podem ser uma bolha, então a bolha estoura. Faz lembrar o episódio que passou para a história como a Crise das Tulipas, introduzidas nos Países Baixos no século XVII.

 Estas flores eram muito apreciadas e tiveram grande demanda, fazendo com os preços subissem cada vez mais, então o comércio dos bulbos era o mais rentável do planeta. Com o correr das décadas, elas passaram a valer fortunas, e como hoje no Mercado Futuro, surgiram contratos futuros antes mesmo delas serem plantadas. Vendiam-se propriedades para investir em tulipas. Aí já eram mais contratos que flores.

 Chegou um tempo em que houve perda de confiança. Por que esta flor devia valer uma fortuna? Resumo, quebradeira geral menos para quem investiu nos bulbos quando valiam pouco, esperou a valorização chegar a extremos e então caíram de banda.

Artigos Relacionados

One Response to A crise das tulipas 

  1. ari disse:

    é exatamente o que eu venho dizendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »