Uma fina camada de verniz

17 out • Caso do DiaNenhum comentário em Uma fina camada de verniz

 No final de semana, um líder político envia sua newsletter com a chamada “Precisamos ser solidários”. Não é exclusividade dele, e não existe apelo mais inútil do que esse e outros assemelhados. De boas intenções o inferno está cheio. Somos todos médicos e monstros à Louis Robert Stevenson. Debaixo da fina camada de verniz, somos seres primitivos.

 Da esteira, assisti sábado um pedaço do jogo entre Vasco e Botafogo. No início, era uma gentileza só entre os adversários, um ajudando o outro a se levantar depois de uma falta. Menos de 15 minutos depois, começou o contrário, com dedos na cara e ameaças de pauleira mútua. Porém, o doutor Jekyll entrava em ação, a turma do deixa-disso. O jogo é uma metáfora da humanidade, embora nem toda ela aja desta forma.

 Essa qualidade é aprendida, não ensinada. Manter os demônios internos, o Mr Hyde de cada um de nós, exige muito mais que uma camada de verniz.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »