Uma experiência atroz

2 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Uma experiência atroz

Certa noite do finalzinho de 1968, houve um incêndio em prédio alto da 24 de Outubro, imediações da Igreja N.S. Auxiliadora. Eu era repórter da área policial da Zero Hora. Fomos lá, eu e o fotógrafo Santinho. Depois que o fogo foi controlado e os bombeiros faziam o rescaldo, subimos à revelia dos então chamados soldados do fogo até o andar onde tudo começara, acho que foi no sexto ou sétimo.

   Obviamente, a energia tinha sido desligada e subimos pela escada. Então, era um breu só, água jorrando, mangueiras pelos corredores, fumaça e vapor d’água, um cheiro terrível de queimado e cinzas. E o calor, meu Deus, era uma coisa insuportável. Depois que o flash da máquina do Santinho espoucou fotografando quase nada – ora, fotografar o escuro… –  desistimos de subir até o andar.

   Na descida, em carreira desabalada, encontramos um sargento dos Bombeiros, que nos passou um sermão interminável. Irresponsabilidade total a minha, assumo, mas essa era a vida de um repórter policial daqueles tempos.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »