Um distrito erótico

13 jun • A Vida como ela foiNenhum comentário em Um distrito erótico

No mesmo lado esquerdo na quadra inicial da rua Cristóvão Colombo, qu3e começa na Barros Cassal, pouco adiante ficava o Carcará, do jogador de futebol Cará, do Cruzeiro F.C., e do seu amigo Serginho. Uniu o Car com o Cará, mesmo nome da música cantada por Maria Bethânia, aquele que pega, mata e come, que por sua vez foi assim batizada por causa de uma música com esse nome cantada por Nelson Gonçalves. Imagino que seja por isso.

Pois o Carcará foi vendido para um bajeense chamado Waldemar, e então se transformou em casa noturna de fato.     Do outro lado da rua ficavam em sequência a Nega Teresa, o Isidoro e mais para o posto de combustíveis na esquina com a Alberto Bins quedava o Sans Chiquè. Que pertencia um sujeito cujo apelido era Dezoito. Era amigo de Chico Anysio com quem tinha sociedade em um haras, vejam só.

Mais para além da quadra final ficava o proletário Monte Blanco, cujo dono tinha esse sobrenome, e do lado oposto ficava o Poodle Room, cuja proprietária era uma ex-miss muito bonita, casa dirigida para a alta burguesia. Nunca faltou diversão carnal para a reta final da rua Cristóvão Colombo. E acreditem, nunca gangues ou assaltantes faltaram com o respeito naquelas bandas. Se aparecesse um, provavelmente amanheceria com a boca cheia de formiga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »