Trabalho da roça

15 jan • A Vida como ela foi1 comentário em Trabalho da roça

 Quando era pequeno e, depois, adolescente em São Vendelino, adorava fingir de trabalhar na roça de um grande amigo dos meus pais, seu Ignácio Schneider e dona Idalina. O pai era comerciante e relativamente bem de vida, ao passo que Ignácio era colono com meros 20 hectares. Plantava-se de tudo menos soja. A leguminosa ainda não era o xodó que é hoje. Até se dizia que fazia mal para os ossos, era comida para porcos apenas.

 Ao assunto. A família ia quase toda para a roça para preparar a terra ou plantar. Eu tentava trabalhar, porque só levantar uma enxada e baixá-la repetidas vezes cansava à beça. Tinha eu ser forte como eles para fazer isso o dia inteiro. De tarde, vinha a hora do fristick, o café da tarde. Como eu gostava dessa hora. Lembro até hoje do cheiro do pão preto ou pão de milho. Interessante, não é mesmo messier Proust?

 Tudo era cuidadosamente embrulhado em uma toalha de mesa. Em um cesto, já estava café preto ou com leite em uma garrafa de vidro; aos poucos vinha o resto, o pão, schmier de cana-de-açúcar (engrossada com pedacinhos de chuchu ou batata doce), kesschmier (que vocês conhecem como queijo tipo Quark) e uma linguiça caseira de comer ajoelhado.

 Alemão gosta da mistura doce-salgado, como os americanos, aliás. Então me preparavam uma fatia grossa de pão cheia de schmier com o kesschmier por cima e um naco de primeira grandeza de linguiça. Às vezes, vinha torresmo feito em casa, quando se matava o porco. Queria muito comer torresmo, mas os que eu achei ou não tinham gosto, ou sua ficha corrida não era recomendável.

 Rapaz, que refeição. Daria tudo para voltar ao café da tarde do seu Schneider, sentado numa pedra à sombra de uma árvore e ouvindo o murmúrio do Arroio Forromeco logo adiante.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

One Response to Trabalho da roça

  1. jorge backes disse:

    Bom dia
    O teu amigo Heron diz que assim como ele tu só ia para o trabalho na roça no hora do Fristik
    e este realmente era “supimpa”.

    Jbackes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »