Tiro ao lobisomem

10 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Tiro ao lobisomem

O meu amigo Paulo Motta fez uma brincadeira no Face sobre o tema lobisomem postando foto do um lobisnenê. Nos anos 1950, um estancieiro da Cachoeira (do Sul), coronel dos Provisórios e conhecido queimador de campo, jurava que, certa madrugada, deparou-se com uma lobismulher numa encruzilhada que leva a Santaninha do Carrapato, terra natal do vice-presidente da Pampa, Paulo Sérgio Pinto.

Crente que era coisa do demo, o bom homem botou uma bala de prata na Winchester 44 e apontou o cano em direção da horrenda figura. Para seu espanto, ela se ajoelhou na frente do cano da arma rezando por sua vida.

– Não me mate, doutor coronel, pelo amor de Deus! Eu tenho sete lobisominhos pra criar!

Desta vez, o coronel deixou passar, mas para que não pensassem que ele dava mole fazia questão de contar que tinha vários couros de lobisomem estaqueados na parede do galpão. Matou-os todos com bala de prata. Uma para cada lobisomem.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »