Talento do caminhoneiro

21 jun • A Vida como ela foiNenhum comentário em Talento do caminhoneiro

O hotel Alfred Porto Alegre tinha um excelente bar, o Tyffany’s, inspirado no lendário Harry’s Bar de Veneza. A decoração era marrom ou bege, nunca sei a diferença, com veludo vermelho nas cadeiras e tapetes. Era um luxo, sobressaia-se dos demais bares de hotéis, que tiveram sua época de ouro até o início dos anos 1980.

Certa noite, eu estava lá quando entrou um negro imenso, um bluezeiro americano que fazia shows na cidade. O barman estranhou, mas não disse nada. Não lembro o nome dele, mas era famoso por sua guitarra e pelo fato de ter sido um simples caminhoneiro até que seu talento veio à lume. Sentou-se num tamborete do balcão e pediu rum com suco de laranja, vejam só.  A lado dele havia um piano.

Nisso entra um gajo meio bêbado, senta no piano e começa a tocar de forma horrível o boogie woogie, que é coisa para profissionais. Um desastre completo. Nem um minuto depois, o americano fala shit! E algumas palavras mais, afasta o borracho e começa ele a tocar o Swanee River. O cara era muito bom.

O pouca-prática foi embora, envergonhado. O gringo voltou ao seu rum com suco de laranja. O barman veio até mim, fingindo trocar o copo e passar um pano na mesa.

– Quem é esse cara?

Outro pouca-prática, pensei. Então não adiantava dar luz para cego.

– Um caminhoneiro – falei.

Ele trocou a cumbuca com amendoins e pipoca.

– Logo vi.

Curta o boogie pela voz e piano do Hugh Laurie:

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=XNUvQ7Qx_zA[/embedyt]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »