Síndrome da pradaria

17 abr • Caso do DiaNenhum comentário em Síndrome da pradaria

cão de pradaria imagem de internet

Na parte lindeira ao Grand Canyon, na planície, existe um animal que vive sobressaltado, o cão-da-pradaria, na realidade uma espécie de esquilo mais roliço e espichado. Seu maior predador é a raposa-anã, que adora comer seus filhotes mal e mal escondidos em tocas.

     Para avisar a todos da presença do inimigo, a comunidade cavouca o solo à procura de comida e, alguns segundos depois, eles põem-se de pé usando as patas traseiras, olhando em voltam para ver se a raposa está de olho em alguma toca. Ao avistá-la, fazem um alarido medonho, guinchando  mensagens de alerta.

     O detalhe que surpreende os naturalistas é que os cães-de-pradaria dão o alerta depois que a predadora chega na toca, arrebata e mata um filhote e leva-o na boca para alimentar os seus filhotes. No popular, os cães que não se parecem com cães tem no seu DNA o que nós chamamos de faísca atrasada.

     Nisso, eles são muito parecidos conosco, os brasileiros. Como diz o adágio, porta arrombada, tranca de ferro.

     Imagem de internet

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »