Sem serventia

21 ago • A Vida como ela foiNenhum comentário em Sem serventia

Na segunda metade dos anos 1960, a esquerda brasileira se dividiu. Parte queria partir para a luta armada, parte não. O Partidāo (PCB) enfrentou o mesmo dilema. O grupo que queria partir para o pau comprou, no mercado negro das armas do Uruguai, meia dúzia de fuzis FAL, utilizados pelas Forças Armadas.

A ala que preferia a resistência civil ficou apreensiva. Mesmo na época a compra podia ser rastreada. Então pediram que ao menos eles mandassem um telegrama dando ciência da chegada das armas. Claro que em código. Em vez de fuzis deveriam usar “porcos”. Uma semana depois veio o telegrama grafado nos seguintes termos:

PORCOS CHEGARAM VG MAS SEM MUNIÇÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »