Salamaleques protocolares

14 jun • Caso do DiaNenhum comentário em Salamaleques protocolares

 Se existe uma coisa que não muda no Brasil são os discursos. Por si só, a maioria deles é como a letra do Hino Nacional, longo e chato. É o princípio do discurso. No passado, no tempo dos grandes tribunos nos nossos legislativos, era diferente, mas eu falo de falas corporativas. Conheço discurseiros que gostariam de se autoaplaudir.

 Em resumo, só quem gosta deles é o autor e a família do autor. Sim, eu sei, pareço cínico, mas ponham-se no meu lugar. Depois de ouvi-los por mais de 40 anos não dá mais, é como comer feijoada todos os dias. Além disso, discurso tem outra coisa chatésima: as citações iniciais. Alguns citam até a mãe do vizinho do cunhado da autoridade maior da plateia que está com ouvidos de prontidão.

 Não faz muito, fui a um almoço do Prêmio Exportação da ADVB. Por sorte, parte do mundo corporativo é frugal com as palavras. A fala inicial ficou com o empresário Renato Malcon. Falou pouco e menos ainda na abertura.

 – Autoridades presentes, senhoras e senhores.

 E depois, direto ao ponto. Exemplo a ser imitado. Que a força deste modelo de discurso esteja convosco, oradores.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »