Retrato fiel

26 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Retrato fiel

 Já dobrando a esquina dos 90 anos, o jornalista Roberto Marinho continuava trabalhando e mergulhando nas águas de Cabo Frio. Dizia-se que ele costumava dizer nas reuniões de diretoria “se um dia eu vier a morrer”, detalhando então as ordens.

 Eu sou um acumulador. De causos e de objetos, então o porta-malas do meu carro é um brechó, idem meu armário no jornal. Se algum rato entrar nele nunca achará o caminho de saída. De vez em quando me bate remorso e resolvo fazer uma limpa. Então vejo sempre um rolo de radiografias do quadril para baixo que fiz há anos, que ocupam muito espaço. Ia botar tudo no lixo, mas depois pensei, melhor não.

 Se um dia eu vier a morrer, deixarei as radiografias de boa parte dos meus ossos à disposição de amigos que então não precisarão me visitar na última morada. Basta pedir para meus familiares que os mostrem quando ainda estavam vivos e fortes e me levavam para cima e para baixo.

 Por enquanto, e tomara que por um bom tempo, ainda levam.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »