Restos de fé

24 jun • Caso do DiaNenhum comentário em Restos de fé

Sete ladrões arrombaram uma igreja situada ao sul de Lima, Peru, imobilizaram o vigia e pilharam o templo. Levaram tudo, cálices, castiças, paramentos e dois cibórios com hóstias consagradas. Dois dias depois, os ladrões devolveram as hóstias à paróquia, o que levou o padre a dizer que eles tinham “restos de fé”. Para dizer a verdade, eu acho que o padre foi muito indulgente com o sacripantas. Eles teriam restos de fé se devolvessem a tralha toda e não apenas as hóstias.

Mas cada um, cada um. Faz anos que gastei todos os meus restos de fé – na humanidade, para ser preciso, não na Santa Madre. Se o ser humano fosse uma máquina ou um carro teria sofrido uma sucessão de recalls desde o início. Então meus restos viraram restinhos, depois moléculas, depois átomos de fé e da última vez que usei o espectrômetro de massa não achei nem um mísera partícula subatômica.

De alguns anos só tenho exercido um tipo de fé e mesmo assim em termos, a dos caminhoneiros: fé em Deus e pé na tábua.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »