Questão de antena

23 mai • A Vida como ela foiNenhum comentário em Questão de antena

Anos 1980, uma sexta-feira. Eu estava quase baixando o Informe Especial, a página 3 da Zero Hora, quando o diretor de redação assomou à porta da sua sala e fez aquele sinal com dedo indicador virado para baixo, me chamando. O Lauro adorava me deixar preso na redação até noite alta.

– Não sai sem falar comigo!

Era uma ordem. E repetida com frequência. Em menos de meia hora, finalizei o texto e mandei para a diagramação. O Jorginho fez o seu serviço bem rápido, de maneira que eu podia ir embora.

– Não sai sem falar comigo! – reordenou o Lauro.

Para usar uma frase dos romances, tamborilei os dedos na mesa. Ê saco! Passou uma hora, e o cara me prendendo. Justo quando eu ia para o famoso dá ou desce, ele me chamou.

– Seguinte. Bota uma nota advertindo que amanhã, à meia noite, começa o horário de verão. Sempre tem os desligados que não se flagram no óbvio.

– Mas Lauro, já tá baixada a página, vou ter que reabri-la!

– Faça isso.

Butz a bariu, como dizem os palestinos das lojas do Centro. Troquei a nota rápido, mas para diagramar de novo levou um tempão. No domingo, fechei a página e ao sair do prédio vi que o enorme relógio do prédio ainda estava com o horário antigo. Voltei para a minha vingança.

– Lauro, olha só. O nosso relógio não foi mudado para o horário de verão. E arrematei:

– Sempre existem os desligados que não são antenados, não é mesmo?

Sai correndo para ele não dizer “não sai sem falar comigo” de novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »