Queda no consumo de suco de laranja

24 ago • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Queda no consumo de suco de laranja

unnamed (3)

Dados da TetraPak Compass, Euromonitor, Planet Retail e o Departamento de Citrus do USDA, compilados pelo Centro de Pesquisas e Projetos em Marketing e Estratégia (Markestrat), de Ribeirão Preto (SP), em 2018, mostram que a demanda pelo suco de laranja concentrado e congelado (FCOJ equivalente) caiu 0,81% em relação a 2017, somando 1.853 milhões de toneladas. Do início da série histórica, em 2003, (veja gráfico) até hoje, a queda foi de 23%.

Maior consumidor do suco de laranja brasileiro, a União Europeia registra quedas significativas na demanda, nos três principais mercados do bloco, Alemanha, França e Reino Unido. “A concorrência com outros produtos substitutivos ao suco de laranja continua a ser um dos principais problemas”, explica o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto.

UE

Na Alemanha o decréscimo 2018 foi de 2,62% em relação a 2017, com o consumo de 138 mil toneladas de suco de laranja. Na comparação com o ano de 2003, a queda é de 44,65%. Na França, a demanda no ano passado foi de 130 mil toneladas, 2,63% menos que em 2017, e 14% em relação a 2003, 14%. E no Reino Unido, a redução foi de 0,81%, com 105 mil toneladas em 2018. Em relação a 2003, a queda chega a 27%.
unnamed (3)

EUA

Nos Estados Unidos, em 2018, a demanda teve uma pequena recuperação de 1,25% em relação ao período anterior, somando 576 mil toneladas. Mas, ao comparar com o ano de 2003 da série histórica, o consumo caiu 42%, de 1.001 milhão de toneladas para as 576 mil toneladas no ano passado.

unnamed

A queda no consumo de suco está diretamente ligada ao lançamento de bebidas concorrentes como outros sucos, águas com sabores, água de coco, néctares e refrescos, que têm menor custo para o consumidor final. “Também podemos destacar mudança no hábito das pessoas, principalmente em relação à ocasião de consumo. Pois o suco de laranja está posicionado principalmente no café da manhã, e as pessoas têm pulado essa refeição ou consumido alimentos enquanto se deslocam para suas atividades”, diz Netto.

China

O estudo mostra, ainda, que apesar da queda registrada nos mercados tradicionais, Estados Unidos e União Europeia, o consumo de suco de laranja está aumentando em países emergentes como a China, que já é o quarto maior consumidor do suco, Brasil e México.

Na China, a demanda cresceu 0,28% em 2018 em relação ao ano de 2017, e 179,55% entre 2003 e 2018. No Brasil, o consumo de suco de laranja no ano passado chegou a 82 mil toneladas, uma alta de 8,53% em relação ao ano anterior – 13 mil toneladas de um ano para o outro; 3,6 milhões de caixas de 40,8 kgs a mais transformadas em suco e 15 milhões de litros a mais no mercado interno. Os números apontam que, do início da série histórica (2003) até 2018, o crescimento do mercado brasileiro para suco de laranja foi de 92%.

O mercado sul-africano consumiu 33 mil toneladas de suco de laranja em 2018, 11,8% a mais que em 2017, e 66% em relação ao início da série histórica, em 2003. O mesmo volume foi consumido pelo México, mas o percentual de aumento entre 2018 e 2017 por lá foi de 3,85% e em relação a 2003, 3,35%. Veja o gráfico:

unnamed (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »