Que viagem!  

24 mai • A Vida como ela foi1 comentário em Que viagem!  

Nunca se deve dar muito crédito a impressões de certos viajantes apressados. Vejam o caso do poeta russo Josef Brodsky (falecido há 10 anos), Prêmio Nobel de Literatura. Em 1978, ele passou uma semana no Rio e achou a cidade “extremamente monótona”, mas ficou intrigado com o trânsito, “feito de dribles”, classificando o motorista brasileiro como um “cruzamento de Pelé com camicase”.

O mais estranho, na visão desse russo americanizado, foi o comportamento das prostitutas cariocas. Segundo ele, à noite, a cada dez metros, “você é abordado com a proposta de uma trepada”.  Mas foi informado de que as profissionais do Rio não aceitam dinheiro – ou ao menos não esperam recebê-lo, e se surpreendem quando um cliente se dispõe a pagar. Cá entre nós, surpreendente é acreditar nisso, mesmo que sejam fatos ocorridos há 38 anos.

(Colaboração do jornalista Antônio Goulart)

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

One Response to Que viagem!  

  1. Igor Trindade disse:

    Muito bom esse artigo, me ajudou bastante e até salvei aqui nos favoritos.
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »