Quando eu era múmia

6 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em Quando eu era múmia

Está bem, eu aceito que algum dia o jornal impresso vai terminar. Então, como o povo vai limpar vidraça e parabrisa de carro? E como vai manter aquecida a panela do arroz? Sem falar que jornal velho é bom para muita coisa, é tipo Bombril com suas mil e uma utilidades. Aliás, a fabricante parou de usar esse bordão. Será porque só tinha 999 e o CONAR deu em cima?

Independentemente da sua leitura, é longa a interação entre a sociedade e o jornal. Até para embrulhar peixe como o povão gosta. Serve também para secar os pés vindo de uma enxurrada, se colocado no chão evita que tinta manche o assoalho, absorve gordura, respingos de frituras, serve como embrulho provisório de lixo entre a cozinha e a lata de lixo. Em casebres e casas humildes das vilas e favelas, folhas de jornal nas frestas das paredes evitar a entrada do vento frio no inverno.

Na verdade, o uso de papel de jornal de ontem – e não existe nada mais velho que o jornal de ontem – tem inúmeras outras aplicações. Eu mesmo já usei jornal como isolante térmico quando tinha pouca roupa de inverno nos tempos da peladura. Folhas colocadas entre a camisa e as calças impediam que os ventos gelados Pampeiro e Minuano me congelassem quando era repórter de madrugada no jornal Zero Hora, quando a redação ficava na rua Sete de Setembro, que os encanava, em especial o Pampeiro.

Naquelas gélidas madrugadas consegui entender como se sentiam as múmias egípcias. Se naquele tempo tivesse jornal, pelo menos elas não sentiriam frio quando o barqueiro Creonte atravessava o rio Estige aproando o outro mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »