Pré-carnavalescas

21 fev • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Pré-carnavalescas

Onde foi que o ministro Augusto Heleno errou quando falou que o Congresso chantageia o governo na proposta orçamentária?

ERA UMA VEZ NO OESTE

Aí por 1972 cobraram do então todo-poderoso ministro da Fazenda Delfim Netto uma postura mais firme do governo com relação às estripulias do sistema bancário. Pacientemente, ele explicou que a economia brasileira estava em estágio de crescimento e, por isso, correções tinham que ser pontuais. Disparou uma frase que ficou célebre: primeiro vem o faroeste, depois vem o xerife.

OS IMPERDOÁVEIS

De lá para cá houve um bocado de tiroteios entre os sucessivos xerifes e os pistoleiros que chegavam na cidade. Algumas vezes, o xerife é que era o bandido. Em outras, os pistoleiros não estavam nem aí para o homem da lei. Alguns até foram presos, mas o OK Corral versão Pindorama era o que mais se tinha.

SEM LEI E SEM ALMA

Tanto os xerifes quanto os pistoleiros driblavam as regras estabelecidas. Fechava-se um olho para eventuais irregularidades em nome do crescimento da cidade. O xadrez daquela construção modesta onde se lia “Sheriff” abrigava muito ladrão pé de chinelo, mas poucos grandalhões. Tudo em nome do progresso, não necessariamente da ordem.

NO TEMPO DAS DILIGÊNCIAS

Ao mesmo tempo em que se conseguia pelo menos um arcabouço de país decente e estruturado, o ouro que atraía o bandido também trazia muitas prostitutas trazidas pelas diligências da Wells Fargo, que sentiam o cheiro do metal, mesmo que ele não o tivesse. As portas vaivém da taberna tinham justamente essa função, facilitar a entrada e também a saída do sistema.

MATAR OU MORRER

Além dos garimpeiros, aventureiros, vinham aos magotes tal qual mariposas são atraídas pelas lâmpadas a querosene do saloon. Muita gente ficou rica e cada vez mais rica, outros quebraram e se quebraram. Era do jogo. Como nas mesas de pôquer da taberna, às vezes alguém sacaneava e o prejudicado sacava do Smith Wesson 44 cuja bala perfurava o atrevido. Não raro, alguém dava tiro no próprio pé.

O ESTRANHO SEM NOME

Nessa jogatina toda era inevitável, e ainda é, que algum outsider entrasse de mansinho na roda, ganhasse os tubos rapidamente e saía da cidade sem que alguém tivesse guardado suas feições e nome. Uma tacada no mercado futuro ou alguém com informações privilegiadas virava e ainda vira bilionário.

PISTOLEIROS DO ENTARDECER

Era uma subespécie de manhosos do mundo que hoje chamamos de Mercado de Capitais. Esperam pacientemente o momento certo para dar um tiro certeiro na pessoa certa, E viram lendas.

POR UM PUNHADO DE DÓLARES

Esse é o nome do jogo. No fim, tudo se resume a isso.

MEU ÓDIO SERÁ TUA HERANÇA

Inevitável. No faroeste financeiro, aí dos perdedores. Só lhes resta odiar aquele que venceu.

PENSAMENTO DO DIAS

Se você não pertencer a uma minoria, hoje, está ferrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »