Pirâmide invertida

25 abr • NotasNenhum comentário em Pirâmide invertida

A maior besteira que a humanidade criou é que o homem está no topo da cadeia alimentar. Estou sentado na frente do computador e uma mosca bem criada fica fazendo loopings, curvas de Immelman e toneaux bem na minha frente e retaguarda. Quando ela pousa, surgem aqueles mosquitinhos de merda, bem pequeninos, que não sei de onde vieram. Mais as moscas, que de um ano ou dois para cá são um inferno.

 Certa vez, ouvi de um campeão de tiro que a coisa mais difícil de fazer é pegar uma mosca voando com a mão. Acredito, porque mesmo com aqueles mata-moscas é tarefa inglória. O cara que senta do meu lado no JC é o campeão de golpes no ar com esse equipamento – em dois anos, só o vi abater uma ou duas.

Na minha frente, ao lado do teclado, vejo várias baratinhas que vocês chamam formiguinhas, uma Panzer Division miniaturizada mas não menos perigosa e blindada. Há ainda as baratas, que podem não ser blindadas mas são mais rápidas e destrutivas que as baterias de foguetes Katyuscha, os órgãos de Stálin, como era chamadas no front russo.

Quem é que está no topo da cadeia alimentar aqui?

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »