Pesadelo linguístico

19 jan • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Pesadelo linguístico

Não é à toa que nos queixamos da falta de comunicação. Por uma série de razões, as palavras que proferimos e escrevemos são perfeitamente entendidas pelos jovens e suas tribos, mas em outro contexto que só os mais maduros não captam. Nosso contexto, advindo do aprendizado nos ensinou a ter determinada compreensão de várias palavras emendadas – as frases – é entendida de forma diversa pela geração Y e Z.

É uma coisa de louco imaginar que as mesmas expressões claras entram obscuras na mente dos jovens, que processam o significado de uma forma que só eles entendem. Tem a ver com viver em casulos, e casulos eletrônicos. A minha floresta não é a floresta deles.

Os praguejadores

Os norte-americanos vivem fazendo pesquisas sobre assuntos aleatórios e a penúltima concluiu que os profissionais que praguejam no trabalho têm menos chances de decolar na carreira. O trabalho é do site CareerBuilder.com, o maior portal de busca de empregos dos Estados Unidos. Os patrões não gostam de gente assim, segundo o site. Só que, quando o patrão pragueja, não acontece nada.

Isso sim daria pano pra manga. Eu já trabalhei com patrão que infernizava tanto a vida dos funcionários, especialmente a minha, que eu caí de banda. E olha que o cara pagava bem. Na realidade, nem sei porque nunca escrevi o livro Manual do Patrão. Já tive tantos e de comportamentos tão bizarros que, ao trabalhar com um chefe “normal”, ficava desconfiado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »