Perfume de gasolina

16 jan • NotasNenhum comentário em Perfume de gasolina

 A propósito do A Vida Como Ela Foi (veja aqui) em que contei que quase fui frentista de um posto, o leitor Duarte Bertolini contou que ele foi um. Confirmou que era tudo no olho, nada do click para avisar que o tanque estava cheio, mas o caso dele foi muito além.

 “Lembro do ódio que tinha das primeiras gerações da atuais F4000 e similares que tinham o tanque atrás do banco na cabine. A boca do tanque ficava na altura do peito e quando engasgava (e era muito comum) voltava uma golfada (…) Imagina isto nos frios invernos da serra ou o cheiro que ficava no corpo”.

 Do que me escapei. Jesus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »