Se você acha que tudo que já fez é bom, provavelmente você é um idiota.

    • Louis C K •

  • Vaca sem terra

    Publicado por: • 13 ago • Publicado em: A Vida como ela foi

    major Pedro Olímpio Pires, estancieiro forte do Alegrete, gostava de frequentar a Churrasquita, na Riachuelo entre Borges e a Praça da Matriz. Era sempre recebido com honras de estado pelo proprietário, Eugênio Zimmer, e também pelo seu amigo, motorista e eventual guarda-costas Arsênio Marques, inspetor de Polícia nas horas vagas.

    Certa feita, após uma lauta churrascada regada a libações, o major passou a ouvir as lamúrias de Arsênio, afinal ele era pobre como rato de igreja enquanto o alegretense era dono de mais de légua de campo, tanto que ele queria criar gado… Ambos foram às lágrimas, abraçados. Quanto a torrente cessou, o major comunicou ao amigo que lhe daria a melhor vaca do plantel para começar sua criação. Arsênio rejubilou-se. Porém, dois ou três uísques depois o presentado quedou sombrio.

    – Major, estive pensando. Que adianta eu ter vaca se não tenho campo?

    O major Pedrinho aquiesceu fazendo sim com a cabeça. Segundos depois, seu rosto se iluminou.

    – Arsênio, quem sabe eu compro a vaca de volta? Pago à vista.

     Foi a vez do amigão abrir um sorriso do tamanho de uma cordeona escancarada.

    – Fechado! O senhor acaba de fazer uma bela compra!

    Se abraçaram novamente, aos prantos.

    Publicado por: Nenhum comentário em Vaca sem terra

  • O branco total…

    Lebes com a fachada branca

    Publicado por: • 10 ago • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    A Loja Lebes do Centro Histórico de Porto Alegre completou um ano. O prédio da antiga Loja Guaspari foi totalmente restaurado, e a fachada branca atravessou esse tempo sem nenhuma lavagem ou repintura, mesmo com toda a fuligem no ar da área central. É um milagre da nanotecnologia.

    …apesar da sujeira

    A tecnologia usada emprega adição de dióxido de titânio, com capacidade autolimpante, mesmo com a fuligem da região. É uma aplicação da nanotecnologia desenvolvida pelo Norie/Ufrgs em parceria com a construtora Engenhosul. É o primeiro do país com essa tecnologia. Tem a ver com elétron que força a barra quando bate a luz do sol, por aí.

    Freio na competência

    Sabem até os computadores de uma empresa que os menos produtivos e capazes são demitidos especialmente em tempos de vacas magras, mas que tal a chefia pedir para que o funcionário freie sua competência? O coach Silvio Celestino (www.alliancecoaching.com.br) comenta casos assim. E que não são poucos e nem novos. “Lembro-me de um executivo de TI que, juntamente com outro colega, montou uma área de vendas diretas de produtos da empresa na qual trabalhava – e originalmente somente vendia por meio de revendedores autorizados.”

    Distorção lucrativa

    Passados seis meses de atuação, conta Celestino, o diretor de RH da empresa resolveu reduzir suas comissões sobre o faturamento. O motivo: eles vendiam tanto que passaram a ganhar mais do que o presidente da corporação, e o diretor de RH considerava isso uma distorção. “Observei isso acontecer com profissionais em multinacionais e em um banco, também internacional.”

    CO-0065-18 - Crédito Consignado INSS - 600x90px (1)

    Meninos, eu vi

    É mais comum do que se pensa acontecer isso na área de vendas. Como tenho duas Carteiras do Trabalho, uma cheia e outra pela metade, antes de ser PJ, observei comportamento análogo em empresas que trabalhei. Isso significa que o cara não enxerga um palmo adiante do nariz ou então é o maior tocador de harpa que existe.

    A harpa

    harpa

    Explico. Já viram alguém dedilhando este instrumento de cordas? O músico toca nas cordas de frente para trás, para junto do corpo. É o famoso “vinde a mim”. Como diz Celestino “o mundo e as empresas estariam em melhores condições se valorizassem os indivíduos de excelência, e não os fanfarrões, psicopatas e mentirosos de plantão”.

    Momento gastronômico

    Será mesmo que não vamos parar de imitar os uruguaios que colocam dulce de leche em todas as sobremesas e doces? Ou é comodismo ou é consumidor pouco exigente com gosto para sambas de uma nota só, o fato é que há uma invasão de doce de leite até mesmo substituindo outros recheios tradicionais. Vou começar o movimento “Chega de doce de leite!”.

    Em compensação…

    …existe um recheio que dá gosto ímpar em tortas ou sonhos & Cia ltda que se chama creme de manteiga. Ou as confeitarias que visito não o conhecem ou sabem apenas que ele existe. Uma lástima.

    Máximas de outrora

    Pobre quando come galinha um dos dois está doente.

    Terceirizadas

    Do jornalista Flávio Dutra: “Alguns partidos me lembram o programa Pequenas Empresas, Grandes Negócios”.

    Um erro 180 graus

    Que inverninho esse nosso, hein? Em junho, a previsão era que ele não seria muito rigoroso e com chuvas abaixo da média no Rio Grande do Sul. Está acontecendo exatamente o contrário. Até mesmo os que curtem o frio, como eu, acham que uma primavera antes do tempo viria a calhar.

    Banrisul na exposição

    O Banrisul anunciou que, durante a 41ª Expointer, estará atendendo à demanda por crédito rural dos agricultores familiares, médios produtores, agricultores empresariais, cooperativas e empresas do setor do agronegócio. A carteira de crédito rural do Banrisul receberá pedidos de financiamentos, tanto para a compra de animais, como de máquinas e equipamentos agrícolas.

     Jornal do Comércio

    Leia e assine o JC clicando aqui.

    Publicado por: Nenhum comentário em O branco total…

    Os artistas brasileiros são socialistas nos dedos ou na voz, mas invariavelmente capitalistas nos bolsos.

    • Roberto Campos •

  • O capote do Pedro

    Publicado por: • 10 ago • Publicado em: A Vida como ela foi

    O Pedruva, apelido dado ao engenheiro aposentado do DAER Pedro Magagewsky, polaco da Vila Áurea, na época distrito de Erechim, não era muito de comprar roupa nova. Usava quase sempre um paletó cinza que provavelmente era branco desde que foi confeccionado, talvez da época da Guerra da Crimeia. Como todo polaco, trocava o “ão” pelo “om”, como os alemães.

    Seu Eugênio Gasparotto, pai do meu amigo Paulo Raymundo, vendia cortes do Dab Dab finos em tempos de seca financeira. Um dia o Pedruva entrava no Bar Pelotense e o velho Eugênio saía, quase se chocaram. Estava à procura do polaco.

    – Ô Pedro, estou vendo que precisas de um capotão marrom para enfrentar o frio. Tenho um pano de primeira para te vender.

    O Pedruva deu de ombros.

    – Capotom marrão io já tenho.

    Publicado por: Nenhum comentário em O capote do Pedro