• Pierre Chordelos de Laclos

    Publicado por: • 12 jun • Publicado em: Frase do Dia

    O nosso ridículo cresce na proporção que precisamos dele.

    Publicado por: Nenhum comentário em Pierre Chordelos de Laclos

  • O horror, o horror…

    o grito

    Publicado por: • 11 jun • Publicado em: A Vida como ela foi

    Na noite anterior eu tinha visto um documentário sobre os filmes de terror do diretor Roger Corman, um dos meus preferidos nos anos 1960. O traço de união na maioria destes filmes é o grito, ou gritos dos personagens imersos no mais profundo horror. Pois foi isso que ouvi quando estava entrando no meu carro na garagem do prédio. Mal sentei atrás da direção, ouvi um grito horripilante. E bota horripilante nisso.

    Não era um grito normal, se vocês me entendem. Era do tipo longo, como alguém em agonia ou sendo devorado vivo por algum leão. Muitos segundos depois, o grito se converteu em um gemido de arrepiar os cabelos da nunca, coisa horrorosa. Em seguida, silêncio. Confesso que quase entrei em choque.

    Como no chavão dos livros, reuni todas minhas forças e corri para a janela da garagem para ver a procedência dos uivos e gemidos prolongados. Bem na frente da porta há uma parada de ônibus. Os gritos vinham dos freios gastos e em estado crítico de um ônibus da Carris. Desde que começou a frear até a parada total, acentuado pelo fato de minha rua ser uma descida.

    Imagem: Pessoas vetor criado por frimufilms - br.freepik.com" target="_blank">Freepik

    Publicado por: Nenhum comentário em O horror, o horror…

  • Criatório de cobras

    Publicado por: • 11 jun • Publicado em: Caso do Dia, Notas

    Além dos 25 (ou 28) partidos políticos já perfilados na arena do circo de busca de votos, há outros 75 na lista de espera, como se lê em boa matéria do jornal Zero Hora. Setenta e cinco, cáspite! Nenhum sistema eleitoral do mundo aguenta tamanho despautério, nenhum. Embora alguns sejam bem intencionados, mesmo ingênuos, outros estão é de olho no dindim, o dinheirinho do Fundo Partidário.

     Controle relativo

    Uma campanha eleitoral é um bom negócio para partidos pequenos. E para outros nem tanto. Quem controla a aplicação desta verba são os Tribunais Regionais Eleitorais, mas o fundo propriamente dito é o TCU. Sei não se funciona. Conheci lideranças partidárias que viviam muito bem, viajando em primeira classe e comendo lagosta em casas caras.

    Carguinho, obrigado

    Muito bem, como é que saímos desse atoleiro de cobras entrelaçadas? Mudança nas regras, quem sabe, mas não vejo congressistas nem partidos especialmente preocupados com esse quadro. Nos anos eleitorais, os pequenos – eles detestam a expressão nanicos – procuram alianças com os grandes sempre de olho em cargos nas administrações eleitas.

    Que contrato?

    A alemã Fraport, que administra o Aeroporto Salgado Filho – e muito bem, por sinal – está sendo instada a bancar os custos da recolocação de centenas de famílias que arrancharam na área que será a extensão da pista. Só tem um pequeno problema: isso não está previsto no contrato que os alemães assinaram. Não à toa que somos conhecidos como rasgadores de contratos.

    A lógica do apostador…

    A Mega Sena acumulada deve pagar em torno de R$ 80 milhões no sorteio desta quarta-feira. O acumulado do sábado foi de R$ 63 milhões. E olha que o dia do pagamento foi na sexta-feira dia 5. Em circunstâncias normais, prêmios acima de R$ 60 milhões aumentam em torno de R$ 8 a R$ 10 milhões quando as apostas se dão em seguida ao dia do pagamento, que foi o caso. Deu bem menos. O que houve?

    …e o coice do porco

    A explicação que me ocorre, depois de décadas observando a dinâmica das apostas maiores ou menores: as filas nas lotéricas na sexta e no sábado foram para pagar quase que apenas as contas do mês. Quando o dinheiro não estava escasso como nestes tempos bicudos, o cara pagava as contas e arriscava um dinheiro a mais na Mega acumulada. Se não jogaram, é porque o dinheiro está mais curto que coice de porco.

    Imunoterapia premiada

    dr. João Isaacsson Velho recebendo premio ASCO (1)O médico do Serviço de Oncologia do Hospital Moinhos de Vento e Fellow da Johns Hopkins Hospital, Pedro Isaacsson Velho, recebeu o prêmio de Global Young Investigator da The Conquer Cancer Foundation da American Society of Clinical Oncology (ASCO). Ele conquistou a condecoração por seu estudo clínico que avalia o tratamento com imunoterapia em pacientes com câncer de próstata.

    Foi o único brasileiro na história a vencer nesta categoria.

    Mundo Novos Danos

    Considerado o maior evento jurídico do sul do país, a XXIV Jornada Internacional de Direito será realizada nos dias 14 e 15 de junho, na Expogramado, em Gramado (RS). No primeiro dia, às 14h30, o advogado Eduardo Lemos Barbosa palestrará sobre o tema “Indenizações no Mundo. Novos Danos”, no qual evidenciará as maiores indenizações internacionais com suas consequências jurídicas. Mais informações: https://www.jornadadedireito.com/

    Namoro & namorados

    Fabrício CarpinejarNo mês dos Namorados, o BarraShoppingSul vai trazer o poeta e escritor gaúcho Fabrício Carpinejar e a youtuber e jornalista Kika Gama Lobo para um bate-papo sobre amor e relacionamentos. A segunda edição do Barra em Movimento acontece nesta sexta (14), às 19h30, na Praça Rosa dos Ventos, com entrada gratuita. Entre os temas que serão debatidos, está a confiança e a intimidade, aspectos que Carpinejar explorou em seu mais recente livro “Minha Esposa tem a senha do meu celular

    Músicas que eu gostaria de ter feito

    Leonard Cohen e Natasha Rostova. Pungente, trágica e belíssima.  Veja https://www.youtube.com/watch?v=-Otg5w4l8ZI&list=RDXoXsxccZi3M&index=3

    Publicado por: Nenhum comentário em Criatório de cobras

  • A história será gentil comigo, já que eu pretendo escrevê-la.

    • Winston Churchill •

  • A desconhecida 

    Publicado por: • 10 jun • Publicado em: A Vida como ela foi

    Amor é o que acontece entre um homem e uma mulher que não se conhecem muito bem. A frase é do – para mim – maior contista da Inglaterra, W. Somerset Maugham, aqui mais conhecido pelo livro que deu origem ao filme com o mesmo título “O fio da navalha”. Seu texto é soberbo e seu conhecimento da alma humana melhor ainda. Mas esta frase em particular me acompanha há décadas. Se eu fosse dos caras que vivem pedindo reflexo, eu diria que ela merece uma profunda reflexão. É isso que acontece em boa parte dos casórios.

    Se o dito do inglês já me impressionava desde que li suas obras, fiquei mais impressionado ainda quando ela foi reforçada numa noite do início dos anos 1970, tendo como palco um ignominioso pé-sujo na avenida Ceará, que nem placa com nome tinha. Lembro que era confraternização entre repórteres. Não esqueço o autor da fala, um bom vivant decadente e quase sem fundos. Nem frente.

    Comemos uma galinhada preparada por ele, cujo apelido era Cambalache, parte dos títulos e um tango (Signo Veinte Cambalache). Era divertido, mas as notas de amargor embrulhavam seus chistes. A certa altura falamos de amores ganhos, amores perdidos, amores impossíveis, amores trágicos. Como vi que Cambalache (*) usava uma grossa aliança, perguntei a ele como classificaria seu casamento, e quando a conheceu.

    – Marina? Não a conheço. A mulher por quem me apaixonei não existe mais.

    Levou o copo de cerveja à boca.

    – Quando acordo olho para o lado e me pergunto quem diabos é ela?

    A letra do tango, composto em 1934 por Enrique Santos Discépolo é maravilhosa. E mais atual que nunca. Confira a letra e a música cantada por Carlos Gardel clicando aqui. 
    Que el mundo fue y será
    Una porquería, ya lo sé
    En el quinientos seis
    Y en el dos mil, también
    Que siempre ha habido chorros
    Maquiavelos y estafaos
    Contentos y amargaos
    Varones y dublés
    Pero que el siglo veinte
    Es un despliegue
    De maldá insolente
    Ya no hay quien lo niegue
    Vivimos revolcaos en un merengue
    Y en el mismo lodo
    Todos manoseaos
    Hoy resulta que es lo mismo
    Ser derecho que traidor
    Ignorante, sabio, chorro
    Generoso o estafador
    ¡Todo es igual!
    ¡Nada es mejor!
    Lo mismo un burro
    Que un gran profesor
    No hay aplazaos ni escalafón
    Los ignorantes nos han igualao
    Si uno vive en la impostura
    Y otro roba en su ambición
    Da lo mismo que sea cura
    Colchonero, Rey de Bastos
    Caradura o polizón
    ¡Qué falta de respeto
    Qué atropello a la razón!
    Cualquiera es un señor
    Cualquiera es

    Publicado por: Nenhum comentário em A desconhecida