• Respeitável público I

    Publicado por: • 23 set • Publicado em: Caso do Dia

    A cada votação polêmica em que os parlamentares sabem que a televisão cobre e que a audiência é maior (um pouco) que a normal, ocorre um fenômeno protagonizado por suas excelências na tribuna. Falam mais alto que a voz de trovão Dele ao entregar as táboas da lei a Moisés. Dizem, em off, que Moisés teria respondido “não sou surdo, Senhor!” Foi o caso de ontem na Assembleia, na votação do pacote do Governo do Estado do RS.

    Publicado por: Nenhum comentário em Respeitável público I

  • Coisas nossas

    Publicado por: • 23 set • Publicado em: Notas

    É costume nosso, são coisas nossas, como no samba de Noel Rosa, falar alto e ser inconveniente em público. Somos famosos no exterior, especialmente nos restaurantes. Aqui mesmo você vê isso a todo momento, gente gritando, gargalhando sem dar a mínima pelota para quem está na casa – já nem falo de quem está na mesa ao lado.

    Publicado por: Nenhum comentário em Coisas nossas

  • Sorria, eu estou sendo filmado

    Publicado por: • 23 set • Publicado em: Notas

    Político adora ver câmera de TV, nem que seja de câmeras de segurança. Viu uma, sorriu. Se a câmara tiver áudio, ele fará um discurso. Se tiver criança por perto, ela beija a criança. Se tiver gente idosa na cena, ele beija a testa dos velhinhos.

    Publicado por: Nenhum comentário em Sorria, eu estou sendo filmado

  • Seitas a granel

    Publicado por: • 23 set • Publicado em: Notas

    Vivemos o milênio das seitas no Brasil. E não me refiro às religiões, ou não só a elas. São seitas esportivas, ideológicas, partidárias, seitas de esquerda, seitas de direita, seitas ambientais, seitas de tudo quanto é jeito e para todos os gostos. Escolha a sua.

    Publicado por: Nenhum comentário em Seitas a granel

  • Sem guelras

    Publicado por: • 23 set • Publicado em: Notas

    Todos fazem a mesma pergunta quando leem que a umidade relativa do ar chega a 100%. Então desenvolvemos guelras como os peixes? Provavelmente tivemos brânquias em tempos imemoriais. Depois disso fomos para a terra passando pelo estágio probatório como anfíbios. De qualquer maneira, o “relativa” é a explicação. O máximo de mistura de água na atmosfera é de 4%. Então quando você lê 100%, significa 4%.

    Publicado por: Nenhum comentário em Sem guelras