• Por fim…

    Publicado por: • 23 nov • Publicado em: Notas

    O exposto acima obviamente não se aplica a todos os gerentes de conta. Por isso, é essencial que se crie uma relação e confiança com ele e o banco.

    Publicado por: Nenhum comentário em Por fim…

  • Premiação

    Publicado por: • 23 nov • Publicado em: Notas

      Pelo segundo ano consecutivo, a Somar Sociedade Mineradora vai a São Paulo receber o Prêmio Chico Mendes de responsabilidade socioambiental. Nesse ano, a empresa obteve uma certificação rara no segmento de areia: a ISO 14001.

    Publicado por: Nenhum comentário em Premiação

  • E os meus 200

    Publicado por: • 23 nov • Publicado em: Artigos

        Você acha quem tem mesmo chance de ganhar a Mega Sena acumulada em R$ 200 milhões que vai correr nesta quarta? Leia o que o meu amigo Davi Castiel Menda (Projetos Numéricos) pensa sobre isso. Ele é do ramo.

    A mega sena e eu! 

    Davi Castiel Menda

    Na condição de matemático, me perguntam a toda hora (principalmente agora com essas acumuladas bissextas e que fazem todo mundo sonhar alto, gerando verdadeiras “Megas da Virada” antecipadas em quase dois meses), qual o motivo de acumular tanto.

    Vou me ater a uma informação que considero fundamental e que todos que apostam deveriam saber. Saiba que suas chances de acertar são muito, mas muito difíceis mesmo. É apenas uma chance em 50.063.860.

    Independentemente da quantidade de volantes apostados num concurso, quando é sorteada a primeira dezena, 90% dos cartões já está fora de disputa. Sobraram só 10%.

    Sorteio da 2ª dezena – Desta vez caem fora 91,5% dos que ainda estão concorrendo – sobram exatos 0,85%. Ou seja, em duas bolinhas sorteadas, menos de 1% está de pé.

    Sorteio da 3ª. dezena – Agora são eliminados 93,1% – sobram 0,058%.

    Sorteio da 4ª. dezena – Aumenta o número de eliminados – 94,7%. Sabem quantos ainda concorrem? Só 0,0031%. Vamos aqui inserir um novo dado: admitindo que tenha sido apostado um total de 50 milhões de volantes (que corresponde a praticamente todas as combinações possíveis), estariam no “páreo” ainda (ou só) 1.550 esperançosos apostadores.

    Mas vem o sorteio da 5ª. dezena e desta vez a degola atinge 96,4%. Quantos sobram? Apenas 0,000112%. Usando nosso dado anterior, os 1.550 apostadores transformam-se em 56 que ainda concorrem a “bolada” principal.

    Última e 6ª. bolinha – “Chuleada” total – Agora é terrível, caem 98,2% das cartelas! E o que a aritmética nos aponta: sobraria  exatamente uma cartela! Mas, isto admitindo que todas os 50 milhões de volantes apostados sejam diferentes uns dos outros, o que na realidade não acontece. Há muitos volantes repetidos, principalmente aqueles que envolvem dezenas abaixo de 31 (em função de datas de aniversário). O índice de repetições é alto. Chega a 30% dos volantes.

    Poderia continuar com esta explicação e encher mais algumas páginas, mas meu tempo é curto, pois tenho que estudar a próxima Mega Sena, que vai pagar 200 milhões. Este valor, se eu (ou meus parceiros de bolão) ganhar, vai me desafogar um pouco… Aliás, já imaginaram se acumula de novo, agrega o montante do final 5, e teremos 300 milhões na seguinte. Haverá ainda apostadores com dinheiro suficiente para investir?

    Publicado por: Nenhum comentário em E os meus 200

  • O contribuinte é um cara que trabalha para o governo sem ter que fazer concurso.

    • Ronald Reagan •

  • Os iludidos

    Publicado por: • 20 nov • Publicado em: Caso do Dia, Notas

       A cada aproximação de eleição os eternos esperançosos se escalam para tentar uma cadeira na Câmara de Vereadores ou na Assembleia Legislativa. Acham que descobriram a América quando se jogam num determinado nicho. Iludidos. Não funciona assim. Minorias, de uma forma geral, não votam em candidatos que representam estas minorias.

      Cansei de ver gente entrar numa fria pensando “Agora vai!”, e no final das apurações descobrir que a expressão correta é “Agora foi!”. Para ficar só na minha “minoria”, duvido que 10% dos jornalistas votem em jornalistas candidatos.  Mecânico não vota em mecânico, médico não vota em médico, engenheiro não vota em engenheiro e assim vai. Claro, há exceções que confirmam a regra.

      Leiam o “A Vida como ela foi” de hoje e confiram um causo que ninguém me contou, o causo eu assisti.

    Publicado por: Nenhum comentário em Os iludidos