Os ventiladores do Ernesto

22 fev • A Vida como ela foiNenhum comentário em Os ventiladores do Ernesto

O seu Ernesto Moser era um pragmático-fleugmático. O austríaco que chegou por acaso ao Rio Grande do Sul nos anos 1940, vindo de um circo que quebrou em Montevidéu, casou com a filha da Dona Maria, nome do cultuado restaurante da rua José Montaury, Centro de Porto Alegre. Foi-se. Seu Arnesto, como costumava dizer o Mandico, numa vã tentativa de irritá-lo, também foi dono do Chalé da Praça XV.

Ele dizia que era o único sujeito que tinha três nacionalidades: austríaco de nascimento, brasileiro por adoção e alemão ladrão quando o cliente reclamava do preço da refeição.

O velho e bom Moser tinha aqueles ventiladores de teto no Dona Maria, mas os abominava. Mais do que isso, nutria por eles um profundo desprezo, explicado por uma simples e curta frase:

– Esquentam o chope e esfriam a comida.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »