Os títulos honoríficos

7 mai • NotasNenhum comentário em Os títulos honoríficos

Sempre me impressionou o fato de empresas tupiniquins adotarem jargões e terminologias estrangeiras para cargos. Nos anos 70, as agências de propaganda foram além da conta e não demorou muito para que o mundo oficial e burocrático – perdão, é pleonasmo – copiasse essas manias. Ascensorista da Assembleia Legislativa gaúcha passou a ser denominada, pelo Diário Oficial do Estado, como “oficial de transporte vertical”. Suponho que motorista seja oficial de transporte horizontal.

Diretoria

   A nomenclatura das agências me divertia muito. Durante dois meses, fiz um trabalho para uma agência norte-americana, na qual todo mundo era diretor ou vice-presidente, incluindo a mulher do cafezinho, que eu rebatizei de Vice-Presidente de Cargas Líquidas Ingeríveis. Fosse hoje teria o acréscimo “logística de cargas líquidas”. Então me animei e fui adiante. O boy passou a ser Oficial de Serviços Externos e Internos. O porteiro do prédio foi promovido a Diretor-Adjunto de Controle de Fluxo.

Cargos

   Lembro que criei mais alguns cargos, mas as brumas do tempo os ocultaram. Com a consciência ambiental de hoje, certamente que o cara que limpa as lixeiras seria o Oficial Superior de Reprocessamento de Resíduos Sólidos. Até mesmo uma simples garrafa térmica poderia ser uma Unidade de Conservação Calórica, dentro do melhor espírito da Segunda Lei da Termodinâmica. Aliás, a segunda veio antes da Primeira, mas essa é outra história.

Vice

   Tenho lembrança vaga de ter criado uma vice-presidência para o segundo boy da agência, que era quem fazia os trabalhinhos miúdos como repor sempre as folhas da copiadora xerox: Vice-Presidente de Estoques Termoplásticos.

Exame

   Isso me veio à mente quando li a nota oficial sobre o resultado positivo de um exame antidoping de piloto da Stock Car, amaciado para “achados analíticos adversos”. Igual aos exames de urina em que aparece a expressão “leves traços de albumina”. Pois aí mesmo, na leveza, que a bronca é grande.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »