Os sertanistas

24 out • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Os sertanistas

O sertanejo é, antes de tudo, um forte. A frase que entranhou na História é de Euclides da Cunha, na sua obra Os Sertões. Transportada para os dias de hoje, posso dizer que o jornalista, mas sobretudo o colunista, é, antes de tudo, um forte. Nos meus 50 anos de jornalismo, já vi de tudo. Costumo dizer que já vi boi voar e passarinho pastar, mas nem nos meus mais horripilantes pesadelos sonhei com um Brasil como o de hoje.

Meu nome é Sofia

Uma constatação, compartilhada por boa parte dos meus amigos: nunca foi tão difícil votar como neste 2018. Disputam o Grande Prêmio Brasil dois atletas que, bem, vou te contar, é brabo. Um Brasil ponderado, de centro, com incursões laterais amenas, seria tudo o que merecemos. Ou não merecemos, daí o castigo?

Mala suerte

Vi apenas uma ou duas vezes Fernando Haddad com sua mulher na mídia. Neste sentido, o petista prima pela discrição. Já Bolsonaro é o contrário, embora resguarde a mulher por questões que só lhe dizem respeito. Mas os filhos do capitão, pelo amor de Deus!

Terceirização do poste

Eleger Fernando Haddad é eleger Lula. Não é nem eleger o poste. E se isso acontecer, ele virá com fúria para se vingar dos desafetos. Vem mordido. Imagina sair da cana depois de mais de 200 dias levando o lábaro de Lulinha Paz e Amor.

Poema enjoadinho

Filhos… Filhos?/Melhor não tê-los!/Mas se não os temos/Como sabê-los?/Se não os temos. Este verso marca o início do Poema Enjoadinho de Vinicius de Moraes, mas muito antes dele o velho e excelente Machado de Assis embebeu sua pena na tinta da amargura para dizer algo bem mais radical.

Porém…

…o de sempre, é que eu estou satisfeito com os meus.

Então…

… segundo Albert Einstein, só há duas maneiras de viver a vida: a primeira é vivê-la como se os milagres não existissem. A segunda é vivê-la como se tudo fosse milagre.

…aos finalmentes

…seja quem for o eleito vai ter menos espaço de manobra que carro em estacionamento de prédio Minha Casa, Minha Vida. Vai ter que enfrentar as corporações e sindicatos das áreas públicas. Sem falar nas inevitáveis negociações com o Congresso Nacional. O rio prometido durante a campanha se transformará em riacho.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »