Os sem-ficha

11 jun • Caso do Dia, NotasNenhum comentário em Os sem-ficha

Devido ao fato de sermos contemporâneos, sempre achei que os mais proeminentes ministros de Michel Temer fossem mais espertos, no sentido de macaco velho, que sabe das coisas da vida e do governo, pela ordem. O episódio da greve dos caminheiros e da confusão das tabelas de frete exigidas pelos grevistas mostrou que não são, como direi, malandros no trato dessas coisas.

Erro de avaliação

Como é que eles não se deram conta que dobrar o valor do frete tornaria inviável o transporte de cargas e, ao fim e ao cabo, seria ruim – como foi – até para os próprios autônomos, por que ninguém pagaria esse valor acordado? Você pode discordar do ministro Eliseu Padilha, mas não pode duvidar da sua familiaridade com questões do dia a dia, o conhecimento instantâneo das consequências. Não podia porque, pelo que vimos, nem ele se deu conta disso.

Alô, Terra?

Logo que a confusão governamental começou, escrevi que o mal de Brasília era o fato de ela não ficar no Brasil. Então tudo é tão longe, tão distante. Falta-lhes conversa de bar, como sempre digo. Ou não sabem mais como vivem as famosas bases. Não vão com assiduidade ao supermercados e mercados, feiras, não compram roupas, não bebem cerveja em boteco, não conhecem a última piada (pelo menos piada não governamental). Perderam a noção e, o que eu acho pior, a capacidade de enxergar mais longe. O próprio Temer sofre do mal.

Já está ruim…

Se Temer renunciar, como já foi cogitado quando do episódio da gravação dos irmãos Batista e no auge da greve, o Brasil poderá entrar num caos planetário. Aos fatos. Neste caso, assumiria o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, do DEM. Com base no espírito de uma lei de 7 de abril de 1964, porque ela não foi detalhada, o presidente da Câmara deve convocar eleições indiretas em 60 dias da qual só poderiam participar integrantes do Congresso, mantendo as eleições de outubro.

…mas pode piorar

Como na lei de 64, só se pode intuir seu espírito, candidatos de fora podem arguir a inconstitucionalidade porque não explicita isso com clareza. Aconteceria o quê? O Supremo seria acionado, e daí teríamos um Brasil ingovernável. Nem precisa dizer o efeito econômico e político – e ideológico.

Falsos brilhantes

No futuro – se houver um – discutir-se-á como puderam os jornais dos tempos que correm ter tantos jornalistas escrevendo sobre assuntos técnicos e até nem tanto sabendo zero do que se tratam. Chega a ser inacreditável a quantidade a dimensão das asneiras, seja no jornal, rádio ou TV. E com que empáfia, meu Jesuscristinho, a empáfia…

E tem mais

A grande verdade é que as redações de hoje nadam em aquários muito pequenos. E se acham no oceanário de Singapura, o maior do mundo.

Financiamento

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) irá financiar a construção de parque logístico de armazenagem, recebimento e expedição da empresa Dasppet Produtos Veterinários Ltda. O projeto, cujo investimento total é de R$ 7.485.96, terá um aporte do Banco no valor de R$ 6 milhões. A empresa, com sede no município de Guaíba, atua como distribuidora exclusiva de produtos veterinários de alta qualidade.

Renúncia

O Conselho de Administração da CMPC S.A., em sessão realizada sexta-feira, aceitou a renúncia apresentada por Hernán Rodríguez Wilson do cargo de Diretor Geral da Companhia. Na sessão, o Conselho realizou uma homenagem especial pelo bem sucedido trabalho de Hernán Rodriguez nas diversas funções que desempenhou na CMPC, desde que ingressou na empresa, em 1987, e em sua gestão como Gerente Geral desde 2011.

Diretor

Hernán Rodríguez continuará ligado ao Grupo Controlador das Empresas CMPC como representante dos conselhos das empresas em que o Grupo Matte mantém participação. Nesta mesma data, o Conselho nomeou como novo Diretor Geral das Empresas CMPC S.A Francisco Ruiz-Tagle Edwards. O Sr. Ruiz-Tagle é engenheiro comercial e atualmente é o Diretor Geral da subsidiária de Celulose. Ele possui vasta experiência na CMPC, no Chile, no exterior e em diferentes áreas e negócios da Companhia.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »