Os comedores de mosca

20 jan • Caso do DiaNenhum comentário em Os comedores de mosca

De certa forma, invejo o numeroso contingente do “Tô nem aí”, as pessoas que podem fazer as maiores trapalhadas e atrasar a vida de todo mundo, mas que deletam a bosteada segundos depois, se tanto. Não me refiro à enorme massa dos que curtem o mal que fizeram, mas os seres que provavelmente nasceram sem alguma parte dos neurônios e até do próprio cérebro.

Infelizmente, os que ficam vermelhos estão diminuindo. Por exemplo, se eu involuntariamente fecho alguém no trânsito trato de pedir desculpas e, mesmo assim, vai doer na consciência por um bom tempo, semanas, às vezes. O cotidiano está cheio de exemplos, a janela mal fechada que permitiu a entrada da chuva, não chavear portas estratégicas de uso comum no prédio, esbarrar em garçom porque comeu mosca e o fez derrubar a bandeja com bebidas e comidas, coisas assim. Além de comer mosca, a memória recente delas não existe.

Como não têm o mínimo remorso, são as pessoas mais felizes do mundo. A vida é sempre o momento posterior.

Fernando Albrecht é jornalista e atua como editor da página 3 do Jornal do Comércio. Foi comentarista do Jornal Gente, da Rádio Band, editor da página 3 da Zero Hora, repórter policial, editor de economia, editor de Nacional, pauteiro, produtor do primeiro programa de agropecuária da televisão brasileira, o Campo e Lavoura, e do pioneiro no Sul de programa sobre o mercado acionário, o Pregão, na TV Gaúcha, além de incursões na área executiva e publicitário.

FacebookTwitter

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

« »